ANAFRE/Congresso: Maior vaia para autarca que defendeu aglomeração de freguesias


 

Lusa / AO online   Nacional   3 de Dez de 2011, 12:39

O presidente de uma junta de freguesia do concelho da Guarda recebeu hoje a maior vaia do XIII congresso da Associação Nacional de Freguesias, quando defendia a aglomeração de freguesias, preconizada no Documento Verde do Governo.

João Prata, de 47 anos, presidente da Junta de Freguesia de São Miguel da Guarda, concelho da Guarda, eleito pelo PSD, foi especialmente vaiado quando disse que não gostou "do tom do congresso" e recordou que nos últimos 15 anos "sempre se discutiu a reorganização do território" pretendida pelos vários governos.

"Essa reorganização é importante, tal como é fundamental a coesão social e demográfica e se isso significar que as freguesias devam ser juntas e os concelhos reorganizados, devemos encarar isso com a máxima abertura e não ficarmos enquistados e bloqueados", explicou o autarca à agência Lusa no final da intervenção.

Assumindo que apenas votará favoravelmente uma das 17 moções apresentadas, subscrita por jovens autarcas, o presidente da freguesia urbana do concelho e distrito da Guarda afirmou que as freguesias devem-se "unir e reivindicar mais competências e diferenciação".

Prata sublinhou não ter ficado ofendido com os apupos de que foi alvo e afirmou que as vaias entre congressistas "é normal", mas pediu para não vaiarem o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, que encerrará o congresso ao princípio da tarde.

Sobre a sua região, afirmou que se devem manter as freguesias rurais e aglutinar as urbanas, mas salientou que não o move qualquer ambição pessoal nas posições que toma, uma vez que, como autarca eleito desde 2001 cumpre o último ano de mandato.

A freguesia de São Miguel da Guarda tem cerca de 7.000 habitantes e 5.500 eleitores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.