Adesão ao programa "Táxi Seguro" abaixo das expectativas

Adesão ao programa "Táxi Seguro" abaixo das expectativas

 

Lusa / AO online   Nacional   26 de Nov de 2007, 14:39

As pré-inscrições para o projecto “Táxi Seguro” começaram esta segunda-feira, mas durante a manhã só se inscreveram 49 taxistas, um número abaixo das expectativas, revelou a Câmara de Lisboa.
Ao longo desta semana, os taxistas de Lisboa poderão pré-inscrever-se no programa “Táxi Seguro”, um sistema de segurança que vai permitir aos táxis estar dotados de um equipamento de localização por GPS que, em caso de emergência, permite ao taxista accionar um alarme de aviso à PSP e ser seguido, via satélite, pela força de segurança.

No entanto, ao longo da manhã de hoje ainda só se pré-inscreveram 49 taxistas, um número abaixo do esperado pela Câmara de Lisboa.

“Tínhamos expectativas de que fossem mais”, afirmou à Agência Lusa uma fonte ligada à Loja do Munícipe na Baixa Pombalina, local onde são entregues as inscrições.

Esta adesão abaixo do esperado deve-se em parte, segundo a mesma fonte, a “muitos taxistas não terem conhecimento da existência de inscrições para aderir ao programa de segurança”.

Florêncio de Almeida, presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Transportes Ligeiros (ANTRAL), contesta esta informação.

“Enviámos informação aos nossos membros e as outras associações provavelmente também enviaram aos seus”, disse o presidente da ANTRAL.

“Só opta pelo sistema quem quer”, salientou o dirigente associativo.

Em declarações à Lusa, Florêncio de Almeida considerou, porém, que o sistema “não será muito benéfico”, defendendo que “seria mais eficiente se a central de táxis pudesse também receber o sinal de alarme e acompanhar a situação”.

Quanto à possibilidade de o número de aderentes ao sistema aumentar exponencialmente nos próximos dias, os serviços da Loja do Munícipe esperam que “nos próximos dias haja mais taxistas a entregar pré-inscrições”.

O sistema de segurança “Táxi Seguro” usa as tecnologias de localização GSM e GPS, o que permite à polícia receber de imediato o alarme na central e seguir a viatura em causa, podendo assim tomar as medidas necessárias para resolver a situação.

Qualquer taxista licenciado pela Câmara Municipal de Lisboa pode aderir ao sistema ao longo desta semana, podendo fazê-lo na Loja de Atendimento ao Munícipe, na Rua dos Douradores, na Baixa.

A aquisição e instalação do equipamento, pelos taxistas, “rondará os 350 euros”, informa o sítio da Internet da Câmara de Lisboa.

No entanto, 33 por cento destes custos será suportado pelo Ministério da Administração Interna, 27 por cento pela Câmara Municipal de Lisboa, e os 40 por cento restantes pelo dono do táxi, refere a mesma fonte de informação.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.