Açoriano Oriental
Açores/Eleições
Ventura espera desculpas de Costa e prevê Governo de direita em breve no continente

O presidente do Chega afirmou esperar um pedido de desculpas do líder socialista e primeiro-ministro devido às acusações de xenofobia e racismo, antecipando que o seu partido e o PSD podem desalojar o PS do poder em breve.

Ventura espera desculpas de Costa e prevê Governo de direita em breve no continente

Autor: Lusa/AO Online

“Queria lamentar os ataques a nível nacional que o PS tem vindo a fazer, sobretudo pela voz do seu secretário-geral, António Costa, ao partido Chega e à possibilidade de entendimento feito na Região Autónoma dos Açores”, afirmou André Ventura, em conferência de imprensa, no parlamento.

Na segunda-feira, em entrevista à TVI, António Costa defendeu ser um fator "da maior gravidade" os sociais-democratas em Portugal terem dado "um passo que a direita democrática na Europa tem resistido a dar, que é fazer um acordo com um partido da direita xenófoba".

“O Chega entendeu-se com o PSD em algumas matérias. O PS pensava que os entendimentos eram exclusivo das suas prerrogativas de entendimento com o PCP e o BE e percebeu que, não só perdeu o poder nos Açores, por causa do Chega, como vai perder o poder na República por causa do Chega também”, continuou o deputado único do Chega, lamentando “ataques vis” do líder socialista.

Segundo o também anunciado candidato presidencial, “as eleições [legislativas] podem ser para o ano, no ano a seguir ou no outro”, mas “uma coisa é indubitável: o Chega vai ser a terceira ou quarta força política e António Costa vai perder o poder em Portugal e vai perdê-lo por causa do Chega, daí a irritação, perturbação e nervosismo”.

A porta a um entendimento com o Chega foi aberta pelo presidente do PSD, Rui Rio, há algumas semanas, abrindo forte polémica à esquerda e à direita, com o CDS a demarcar-se de entendimentos com o partido de Ventura.

"No futuro, no continente - já tive oportunidade de dizer isto e deu origem a não sei quantos incêndios políticos -, se o Chega se moderar pode haver hipóteses naturalmente de diálogo”, reiterou Rio esta semana.

Ventura declarou que “o Chega admite conversar com o PSD se o PSD se radicalizar nalgumas coias (combate à corrupção, ao desperdício do sistema político, à pedofilia e ao sistema fiscal absurdo em que uns pagam para quem não quer trabalhar nem fazer nada)”.

José Manuel Bolieiro foi indigitado no sábado presidente do Governo Regional pelo representante da República para os Açores, Pedro Catarino.

O PS venceu as eleições legislativas regionais, no dia 25 de outubro, mas perdeu a maioria absoluta, que detinha há 20 anos, elegendo 25 deputados.

PSD, CDS-PP e PPM, que juntos representavam 26 deputados, anunciaram esta semana um acordo de governação, tendo alcançado acordos de incidência parlamentar com o Chega e o Iniciativa Liberal (IL).

Com o apoio dos dois deputados do Chega e do deputado único do IL, a coligação de direita soma 29 deputados na Assembleia Legislativa dos Açores, um número suficiente para atingir a maioria absoluta.

 


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.