Livro é lançado sexta-feira

Veiga ataca Vieira em livro


 

Lusa/AO online   Futebol   5 de Dez de 2007, 16:54

O antigo director-geral da SAD do Benfica, José Veiga, escreve no seu livro "Como Tornar o Benfica Campeão", a apresentar sexta-feira, que a "insegurança e falta de liderança" do presidente Luís Filipe Vieira comprometeram a sua obra na Luz.
     "O Benfica tinha um treinador, um plantel, uma linha de rumo e uma época bem planeada. (...) Perdemos tudo porque a direcção não teve paciência para esperar e preferiu mudar o treinador ao fim da primeira jornada. É um caso inédito no futebol português", lamenta.

    Para José Veiga, foi a "influência de outras pessoas" que convenceu Luís Filipe Vieira a vender Simão Sabrosa ao Atlético de Madrid por um valor abaixo do que estava estipulado na cláusula de rescisão do avançado, 25 milhões de euros.

    "Os dois clubes fecharam o negócio por 20 milhões de euros. Um erro de gestão desportiva, que denuncia falta de sensibilidade para perceber o que é importante numa equipa de futebol", considera José Veiga.

    O antigo empresário de jogadores garante que, num primeiro momento, recebeu os parabéns de Vieira pela firmeza negocial demonstrada perante o Atlético de Madrid, pois o então director-geral do Benfica só admitia libertar Simão Sabrosa a troco dos 25 milhões de euros.

    Por ter recebido a garantia de Luís Filipe Vieira que Simão Sabrosa não saía por menos de 25 milhões, Veiga ficou "descansado", mas depois "foi o que se viu".

    "Não podia ser director-desportivo sabendo que a direcção tomava decisões exactamente opostas à minha. Percebi que as más influências junto do presidente iam pôr em causa o plano para voltarmos a ganhar o campeonato. Sendo assim, achei que era melhor não continuar", explicou o antigo dirigente dos "encarnados".

    José Veiga adianta que o Benfica continua a desperdiçar "oportunidades para recuperar a hegemonia do futebol português", já que é um clube "muito exposto à vaidade e caprichos dos membros da direcção".

    E é pelo desejo de protagonismo de Domingos Soares de Oliveira que José Veiga explica a animosidade do director financeiro da SAD do Benfica: "Não vejo outro motivo", escreve, estranhando o peso que gestor tem vindo a ganhar no clube.

    José Veiga considera que Soares de Oliveira intromete-se "cada vez mais em áreas que não são da sua competência" e, inclusivamente, chega a falar sobre áreas onde o presidente do clube detinha exclusividade".

    Neste sentido, Veiga recorda que numa conversa que manteve com o gestor pouco depois de Soares de Oliveira ter entrado na SAD, o director financeiro disse-lhe "que não percebia nada de futebol e que gostava mesmo era de jogar golfe".

    Recordando que Soares de Oliveira confessou recentemente que o Benfica teria condições de disponibilizar 20 milhões de euros para a aquisição de um jogador, se isso fosse necessário, José Veiga não entende, por isso, que o clube tenha recusado três milhões para manter o avançado Fabrizio Miccoli.

    "Se é assim, porque não mantiveram Miccoli no clube? Se a resposta era o seu preço, tanto a nível de transferência como de salário, não se percebe: o salário pedido pelo Miccoli corresponde à poupança que o clube acabou por fazer com a saída de Simão", sublinhou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.