Um quarto dos portugueses não lava as mãos antes de comer


 

Lusa / AO online   Nacional   7 de Nov de 2007, 19:20

Cerca de um quarto dos portugueses não lava bem as mãos antes de comer e depois de ir à casa de banho ou contactar com animais, segundo um estudo internacional apresentado esta quarta-feira, juntamente com uma campanha de promoção de higiene.
Realizado em onze países, entre eles Portugal, o estudo do Hygiene Council, um grupo de especialistas de diversas nacionalidades, revela que "45 por cento dos portugueses afirma não lavar bem as mãos sempre que espirra ou tosse", sendo que um quarto da população portuguesa "não o faz quando contacta com animais, antes das refeições e depois de ir à casa de banho.

Em Portugal, 38 por cento da população acredita que os locais onde há mais germes são a sanita e a roupa suja, apesar de, segundo o estudo, ser nos interruptores, auscultadores de telefone ou comandos de televisão que há maior quantidade de germes.

Apesar de Portugal não estar bem situado no “ranking”, o estudo revela que os alemães e os ingleses ocupam o topo da tabela dos que menos lavam as mãos: 62 por cento dos primeiros e 53 por cento dos segundos "confessam que nunca lavaram as mãos em qualquer circunstância (tossir, espirrar, comer, depois de ir à casa de banho)".

O estudo chama a atenção para a importância da higiene pessoal e do próprio ambiente, uma vez que "a lavagem de mãos reduz a incidência de infecções até 59 por cento, reduz o risco de infecções respiratórias até 16 por cento e poderá reduzir o absentismo relacionado com doenças de crianças na escola até 49 por cento".

Para ensinar as crianças para a importância de lavar bem as mãos, uma empresa de produtos desinfectantes, que divulgou os dados do estudo, lançou uma campanha com a qual pretende distribuir materiais didácticos em mais de 200 escolas do 1º ciclo.

A inciativa conta com o apoio da Direcção-geral de Saúde e da Sociedade Portuguesa de Pediatria e arrancou hoje simbolicamente no jardim-escola João de Deus (Lisboa), onde um grupo de 120 crianças, do 1º e 2º anos de escolaridade, foram ensinadas a lavar bem as mãos e sensibilizadas para a importância desse acto.

"Sujamos as mãos em qualquer sítio, mas o fundamental é lavarmos as mãos antes de comer, depois de ir à casa de banho, quando fazemos limpeza na nossa casa ou quando passeamos com os animais", disse à Lusa Ana Leça, directora do Serviço de Qualidade Clínica da Direcção-geral de Saúde.

Para Ana Leça, "as mãos devem ser lavadas com sabão, num período razoável de tempo, palma com palma, o dorso, entre os dedos, por baixo das unhas, de modo a que toda a superfície da palma da mão e do dorso seja perfeitamente lavada, incluindo a região do pulso".

"A promoção de higiene é sempre meritória, a nível de hábitos das pessoas e de evitar algumas infecções, e depois porque as crianças, ao serem grandes receptoras e transmissoras de informação, são importantes na divulgação da própria mensagem desta campanha", referiu Ana Leça.

"É uma ideia educativa interessante que ajuda as crianças a adquirir uma melhor consciência sobre a higiene do seu corpo", disse, por seu turno, António Ponces de Carvalho, Presidente da Direcção da Associação de jardins-escola João de Deus.

"A escola tem de ter este papel promotor de saúde e não ser apenas o sítio onde os meninos aprendem a ler, escrever e contar", acrescentou.

No entanto, Ana Elisabete, professora de 1º ano do jardim-escola, referiu que a fomentação dos hábitos de higiene é feita diariamente.

"Todos os dias acompanhamos os meninos à casa de banho, para ver se realmente eles lavam bem as mãos, às 9:00, antes de ir para a sala, às 11:30, quando voltamos do recreio, às 13:00, antes de ir para a cantina almoçar, e antes do lanche, por volta das 17:00", disse.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.