UE preocupada com corte energético israelita à Faixa de Gaza


 

Lusa / AO online   Internacional   31 de Out de 2007, 16:20

A presidência portuguesa da União Europeia (UE) expressou esta quarta-feira a sua “preocupação” pela intenção israelita de reduzir o fornecimento de combustível à Faixa de Gaza e pediu contenção, por ser essencial para a população civil palestiniana.
Em comunicado, os 27 condenaram os “inaceitáveis atentados que continuamente são perpetrados contra território israelita” e, embora reconhecendo o “direito à legítima defesa”, reiteraram a “necessidade de - Israel - ponderar cuidadosamente o impacte negativo de tal medida sobre uma população já a viver sob condições muito difíceis”.

Israel decidiu no domingo reduzir o fornecimento de combustível à Faixa de Gaza, como retaliação a um ataque de extremistas palestinianos, com granadas de foguete, no sul do país.

Na segunda-feira, o Procurador-Geral israelita conseguiu travar a intenção governamental de também cortar o fornecimento de energia eléctrica à Faixa de Gaza, em nome da prevenção de um possível desastre humanitário.

Os palestinianos residentes na Faixa de Gaza dependem totalmente de Israel para o consumo de combustível e em mais de metade para o de electricidade.

Mau grado este cenário, a UE, que mantém a sua ajuda humanitária, insistiu na recusa em trabalhar com a força política dominante na Faixa de Gaza, o movimento de resistência islâmica Hamas, considerado terrorista também pelos Estados Unidos.

“Ciente da situação humanitária e económica em que se encontra o povo palestiniano, a UE mantém a sua determinação em garantir a assistência e em fazer tudo para também assegurar quer a assistência de emergência, quer a humanitária, à população da Faixa de Gaza”, conclui o comunicado.

Em Agosto, devido a uma suspeita de que o Hamas estava a embolsar mais-valias pelo fornecimento de electricidade, a UE suspendeu as entregas à maior central na Faixa de Gaza.

Os fornecimentos foram retomados com a condição de serem auditados conjuntamente pelo Hamas e pela Autoridade Nacional Palestiniana (ANP), presidida por Mahmud Abbas, na Cisjordânia.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.