Açoriano Oriental
Trump faz discurso de Estado da União com os olhos postos na sua reeleição

O Presidente dos EUA, Donald Trump, profere esta terça-feira o seu discurso do Estado da União, quando está a ser julgado politicamente e tenta garantir a sua reeleição, em novembro próximo.

article.title

Foto: EPA/JIM LO SCALZO
Autor: Lusa/AO Online

Donald Trump decidiu que não adiaria a data do discurso do Estado da União - embora o pudesse fazer, por estar a decorrer o seu julgamento político no Senado - e manteve o calendário argumentando que o país precisava de ouvir a sua mensagem.

O processo de ‘impeachment’ – em que é acusado de abuso de poder e obstrução ao Congresso – deverá terminar em breve, depois de a maioria Republicana ter aprovado a dispensa de novas testemunhas, e deve concluir pela absolvição de Trump.

O Presidente sempre disse acreditar que o processo era uma “caça às bruxas”, destinado a fragilizar a sua recandidatura presidencial, numa altura em que a economia dos EUA está forte e a sua projeção internacional se tem ampliado, com diversos acordos políticos e comerciais.

A imprensa norte-americana tem antecipado que Donald Trump centrará o seu discurso na saúde económica e financeira, referindo os recordes das bolsas de valores, os baixos números do desemprego e os aumentos dos fundos de pensões.

O Presidente deverá ainda falar do acordo parcial comercial alcançado recentemente com a China e repetir as vantagens de ser mais exigente com a segunda maior economia mundial, referindo os milhares de milhões de dólares obtidos em tarifas retaliatórias e colocando esperança no futuro das relações entre os dois países.

Trump também se deverá referir ao plano de paz para o Médio Oriente, anunciado na passada semana na Casa Branca, perante o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e aos troféus de guerra na Síria, no Afeganistão e no Iraque.

O conflito com o Irão deverá entrar no discurso, com uma provável alusão ao ataque de um aparelho aereo não tripulado dos EUA que matou um Qassem Soleimani, um alto comandante iraniano, bem como a repetição da ideia de que, enquanto for Presidente o regime de Teerão não terá armas nucleares.

A oportunidade de novas relações comerciais com o Reino Unido, após o ‘Brexit’, que tem estado nos seus discursos de campanha, e a recuperação da ideia do muro na fronteira com o México, que serve para reforçar a sua ideia de mais proteção perante a imigração ilegal, também deverá fazer parte do diagnóstico do Estado da União.

Mas Trump quererá falar para o seu eleitorado, com os olhos postos nas eleições presidenciais de novembro, e para os adversários, como alguns dos senadores Democratas presentes, que também são candidatos nas primárias do seu partido.



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.