Social-democrata Isabel Meirelles critica “tom de vacuidade e politiqueiro” de Luís Montenegro


 

Lusa/Ao online   Nacional   12 de Jan de 2019, 00:54

A vice-presidente do PSD Isabel Meirelles mostrou-se esta sexta feira "extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal" usado pelo antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, ao desafiar o presidente do partido a marcar eleições diretas já.

Luís Montenegro anunciou hoje que está disponível para ser "de imediato" candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

"Na sequência do discurso que ouvimos do doutor Luís Montenegro fiquei extraordinariamente surpreendida pelo tom de vacuidade, politiqueiro, de quem só diz mal. Não vimos ali expressa uma única ideia e isso deixa-me extraordinariamente triste porque esta direção tinha inaugurado uma maneira diferente de fazer política", salientou Isabel Meirelles, em declarações aos jornalistas, sem direito a perguntas, na sede do partido.

A vice-presidente do PSD deixou claro que era uma "declaração em nome pessoal" que não vincula a restante direção "e muito menos o presidente do partido, Rui Rio".

"O único argumento de peso que aqui foi apresentado foi a queda das sondagens. Ora isto não é fundamento em sítio nenhum senão o doutor Rui Rio nunca tinha sido eleito por três presidente da Câmara do Porto, não tinha ganho as diretas e nem sequer o doutor Passos Coelho teria alguma vez ganho as últimas eleições legislativas", criticou.

Isabel Meirelles acusou ainda Luís Montenegro de mentir, algo "muito grave no sistema político".

"Mente porque disse no ano passado que só faria oposição ao doutor António Costa, ao BE e ao PCP e disse também que não deveria haver um congresso extraordinário senão apenas depois das legislativas", elencou.

Para a vice-presidente de Rui Rio, o antigo líder parlamentar social-democrata "não quer salvar o PSD".

"Eu acho que isto já é um plano arquitetado do passado, ele quer salvar sobretudo as pessoas que o rodeiam e provavelmente ele próprio", atirou.

Por tudo isto, Montenegro "não merece credibilidade", na opinião de Isabel Meirelles, que lamenta esta situação.

"Temos a acusação de que não temos ideias, que não fazemos oposição. Isso é preciso não estar atento minimamente. Basta ver a produção, a densidade de documentos que foram produzidos pelo Conselho Estratégico Nacional, talvez com ideias que nunca o PSD tratou tão profundamente", contrapôs.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.