Sindicato diz que ano lectivo arranca com as mesmas preocupações pedagógicas


 

Lusa / AO Online   Regional   4 de Set de 2008, 16:56

O Sindicato dos Professores da Região Açores alertou hoje que o novo ano lectivo arranca terça-feira com as "mesmas preocupações de natureza pedagógica", relacionadas com o modelo de avaliação de docentes e horários de trabalho.
    "Estão reunidas as condições materiais. Mas os problemas escolares não se limitam apenas a estas questões, pois subsistem preocupações de natureza pedagógica", declarou o presidente do SPRA à agência Lusa.

    Armando Dutra deu como exemplo o novo modelo de avaliação de docentes, um processo que mereceu a oposição do sindicato e que, no seu entender, "está associado às questões de progressão da carreira", quando deveria estar centrado "na supressão das dificuldades" para melhorar a qualidade do ensino.

    Apesar de melhorados alguns aspectos, o dirigente sindical sustenta que o modelo de avaliação anual “não serve os professores" e criticou "não ter sido desenvolvida a necessária formação aos avaliadores para garantir equidade necessária" no processo.

    Trata-se de um processo de "natureza punitiva", quando deveria ter uma essência "formativa", criticou Armando Dutra.

    A poucos dias da abertura do ano lectivo nos Açores, o SPRA entende, ainda, que os horários de trabalho, "demasiado segmentados e com muitas mais horas de permanência nas escolas", constituem outro dos motivos de "grande apreensão" dos docentes.

    Segundo o dirigente do SPRA, sindicato que conta com mais de 60 por cento dos docentes sindicalizados da região, já no último ano lectivo os docentes tiveram que exercer muitas mais horas do que as previstas, o que motivou o alerta da estrutura sindical à tutela.

    Nos Açores, o novo escolar arranca a 09 deste mês para 41.790 alunos nos diversos graus de ensino e cerca de 5 mil professores dos quadros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.