Mundial Sub 20

Selecção recebida em euforia, Nelson Oliveira e Mika os mais aplaudidos

Selecção recebida em euforia, Nelson Oliveira e Mika os mais aplaudidos

 

Aonline/Lusa   Futebol   22 de Ago de 2011, 20:59

A selecção portuguesa de sub-20, vice-campeã no Campeonato do Mundo de 2011 de futebol, foi hoje recebida em festa por mais de 200 adeptos no Aeroporto de Lisboa, onde Nelson Oliveira e Mika foram os mais aplaudidos.

Poucos depois da 16h00 dos Açores, os jogadores e equipa técnica começaram a aparecer na zona das chegadas do Aeroporto de Lisboa, ao som estridente dos aplausos do familiares, amigos e adeptos que decidiram receber a formação lusa.

O avançado Nelson Oliveira, vencedor da Bola de Prata (segundo melhor jogador da prova), e Mika, eleito melhor guarda-redes, foram os principais ‘alvos’ dos adeptos, que no meio da confusão procuravam um autógrafo ou uma fotografia com os seus novos ídolos.

“Disputámos um Mundial com muita lealdade e enorme ambição, mas sabíamos que ia ser complicado. Merecíamos ser campeões, mas ganhou uma grande equipa, numa final intensa entre as duas melhores equipas do Mundo”, afirmou o selecionador nacional, Ilídio Vale, em declarações aos jornalistas.

Com alguma dificuldade em esconder a emoção, o técnico considerou que a seleção demonstrou a humildade, dignidade e coragem, no Mundial que decorreu na Colômbia.

“Sabíamos o que pensavam de nós, mas tínhamos orgulho em representar o país, também sabíamos que não éramos os mais talentosos, mas podíamos ser os mais fortes”, reforçou.

“Tivemos muitas adversidades, mas conseguimos superar tudo. Revelamos caráter, mentalidade vencedora e cumprimos todos os nossos objetivos”, acrescentou.

Algo espantado com a receção em Lisboa, Nelson Oliveira referiu que só conseguiu ganhar a Bola de Prata com “ajuda de toda a equipa”.

“O principal foi o coletivo, nunca fomos uma equipa de individualidades e, por isso, tenho que dar os parabéns ao grupo porque só com eles é que consegui ganhar”, disse.

O avançado do Benfica, que marcou quatro golos no Mundial, espera agora que os clubes portugueses apostem mais nos jogadores nacionais. “Temos tanta ou mais qualidade do que os jogadores estrangeiros”, sublinhou.

Por seu lado, um tímido guarda-redes Mika, que chegou à final do sem sofrer qualquer golo, lembrou que ainda tem “muito para aprender” e prometeu que irá trabalhar para isso.

“O meu objectivo era dar o melhor e consegui ser o guarda-redes com menos golos sofridos, o que é muito bom. Na final, faltou-nos sorte”, lamentou o guardião, que espera agora uma oportunidade para jogar na equipa principal do Benfica.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.