Santa Clara vence e afunda Desportivo das Aves no último lugar

Santa Clara vence e afunda Desportivo das Aves no último lugar

 

Lusa/Ao online   Futebol   27 de Out de 2018, 17:02

O Santa Clara ascendeu este sábado provisoriamente ao quarto lugar da I Liga de futebol, ao vencer no recinto do Desportivo das Aves, cada vez mais último classificado, por 2-1, em encontro da oitava jornada.

Os açorianos foram tremendamente eficazes no primeiro tempo e, com o vento a favor, marcaram em lances de bola parada, o primeiro por Bruno Lamas, aos 15 minutos, na cobrança de um livre direto, com César a fazer o segundo, aos 23, após um pontapé de canto.

O Aves tentou reagir, mas só conseguiu reduzir aos 79 minutos, num lance confuso na área do Santa Clara, com Derley a fazer o desvio, de cabeça, e a dar alguma esperança à formação avense, em superioridade numérica desde os 82, por expulsão do ‘açoriano' Fernando.

Com este triunfo, o terceiro consecutivo no campeonato, o Santa Clara ascendeu ao quarto lugar, com 14 pontos, e um dos melhores ataques da prova, com 16 tentos, enquanto o Aves, que não aproveitou o desaire caseiro do Nacional (derrota diante do Portimonense por 1-0), mantém o último lugar, com quatro e poderá ver a diferença agora de três pontos aumentada para as equipas acima da zona de despromoção.

O vento forte que soprou nas Aves, com mais intensidade no primeiro tempo, ‘empurrou', de início, as equipas para um futebol musculado e muita luta a meio campo.

O Aves ameaçou o golo logo aos quatro minutos, num lance em que Amilton, na direita, serviu Baldé, mas o avançado chegou ligeiramente atrasado ao cruzamento, mas este foi o primeiro e último sinal na primeira parte dos locais, aparentemente afetados pelos golos do adversário.

Um livre à entrada da área do Aves, aos 15 minutos, valeu um remate colocado de Bruno Lamas a abrir o marcador, que, oito minutos depois, voltaria a funcionar, novamente para o Santa Clara, por César, a ganhar de cabeça na pequena área, na sequência de um canto, num lance em que os centrais e o guarda-redes André Ferreira não ficara isentos de responsabilidade.

Estes dois golos, sofridos praticamente a frio, mexeram com o Aves, que não mais se encontrou até ao intervalo, errou muitos passes e não conseguiu ligar o seu jogo, permitindo alguns lances de perigo ao adversário, quase sempre em contra-ataque, com Stephens e Patrick, nomeadamente, a ficarem perto do terceiro.

José Mota, que ainda antes do intervalo, trocou o apagado Fariña por Nildo, apostou tudo no segundo tempo, deixando, no entanto, de contar com o vento como aliado, e as oportunidades que conseguiu criar também não foram aproveitadas.

Bruno Gomes, lançado na segunda parte, demorou muito no remate e perdeu uma excelente oportunidade para reduzir, aos 59 minutos, numa das raras jogadas de envolvimento coletivo do Aves, com muito querer mas pouco discernimento, e Nildo, aos 61, viu Marco negar o golo, com uma defesa complicada junto ao poste.

Nesta fase, como em praticamente todo o segundo tempo, o Santa Clara praticamente abdicou do jogo, limitando-se a gerir o resultado, numa estratégia posta à prova quando Derley, aos 79 minutos, reduziu para o Aves, num lance confuso na sua área.

Três minutos depois, Fernando viu o amarelo e logo a seguir o vermelho direto, complicando ainda mais as contas para os açorianos, que, mesmo assim, lograram segurar a vantagem, provocando o sexto desaire do Aves no campeonato.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.