Revista de Imprensa Nacional


 

Lusa/Ao online   Nacional   30 de Nov de 2007, 05:22

A morte de um segurança no Porto, a detenção de um militar da GNR depois de tentar assaltar um banco em Carcavelos e novos desenvolvimentos do caso Maddie são assuntos hoje abordados na imprensa lisboeta.
O Jornal de Notícias destaca na primeira página “Vingança: Segurança morto a tiro no Porto já se tinha queixado sete vezes à Polícia por ameaças”.

    O segurança de uma discoteca foi morto a tiro quinta-feira de madrugada em Miragaia, no Porto, num provável ajuste de contas entre grupos rivais, escreve o matutino.

    O JN salienta ainda que o “cerco policial em zonas críticas após morte de empresário da noite não consegue evitar terceiro assassinato em quatro meses”.

    O 24horas noticia “Segurança de discoteca do Porto executado com tiro na cabeça”, enquanto o Correio da Manhã titula “Segurança da noite marcado para morrer”.

    O CM diz que o segurança fez sete queixas à polícia por ameaças de morte e realça que este é a terceira vítima dos últimos seis meses no Porto.

    O diário puxa também para a capa a greve de hoje da Função Pública e o pedido do Presidente da República ao Tribunal Constitucional de fiscalização preventiva das normas da lei de vínculos, carreiras e remunerações da Função Pública.

    O Jornal de Notícias chama à primeira página “Scolari abandona selecção depois do Euro 2008” e “Procuradoria-Geral da República acusa [Tribunal] Relação de não acautelar interesses de Esmeralda”.

    O Diário de Notícias faz manchete com o título “GNR apanhado em flagrante depois de 7 assaltos a bancos”.

    De acordo com o matutino, um militar da GNR tentou assaltar quinta-feira de manhã uma agência do BPI, em Sassoeiros, na freguesia de Carcavelos, mas foi detido já na rua por agentes da PSP.

    O diário noticia também que dois jovens ficaram feridos com gravidade alegadamente devido a actividades relacionadas com praxes académicas em Elvas e Coimbra.

    “Cavaco deixa ficar magistrados do MP vinculados à função pública” escreve hoje o jornal Público, referindo que o Presidente da República enviou para o Tribunal Constitucional a lei dos vínculos, carreiras e remunerações sem atender às críticas formuladas ao diploma pelo Procurador-Geral da República.

    Pinto Monteiro tinha considerado há uma semana que a lei “colocava em perigo a autonomia do Ministério Público e ameaçava não aceitar ser um Procurador-geral dependente do poder político”.

    O Público chama ainda a atenção para uma entrevista ao secretário-geral da CGTP, Carvalho da Silva, na qual diz: “Sindicatos não são anacrónicos”.

    O 24horas anuncia em manchete que “polícia inglesa confirma suspeita sobre os McCann”, referindo que as novas análises reforçam a tese de que o corpo de Maddie, desaparecida a 3 de Maio no Algarve, foi transportado no carro do casal.

    “Galp reforça em Angola com ajuda de Sócrates” salienta o Diário Económico na primeira página, escrevendo que a empresa de Amorim e Ferreira de Oliveira substitui chineses e alia-se a indianos no consórcio que opera três blocos petrolíferos.

    “Falências das empresas entopem tribunais” e os primeiros seis meses e os desafios da próxima década para Paulo Azevedo à frente do Grupo Sonae são outros temas abordados no DE.

    O Jornal de Negócios chama à primeira página “Apoios do Estado ao arrendamento jovem limitados a rendas até 680 euros” e “BCP: Joe Berardo avança para inquérito judicial”.

    O económico faz ainda chamada de capa para uma entrevista ao historiador Pacheco Pereira e Paulo Morgado, autor do livro “O Corrupto e o Diabo”.

    Em manchete o Semanário Económico escreve que “Jardim Gonçalves sai do BCP” na reunião do Conselho Geral e de Supervisão na terça-feira.

    De acordo com o jornal, o líder histórico do banco garantiu que Filipe Pinhal será CEO e escolherá a nova equipa da gestão do Millennium BCP.

    O Semanário Económico destaca ainda entrevistas a Ana Avoila, da Frente Comum, Nobre dos Santos, da FESAP, e Bettencourt Picanço, do STE, nas quais falam sobre a greve de hoje da Função Pública.

    O Semanário titula “Lisboa não aguenta”, realçando que o ultimato de António Costa de que se demite caso o PSD chumbe o empréstimo de 500 milhões de euros “vai para além da necessidade da operação para pagar a fornecedores e gerir Câmara de Lisboa até 2009”.

    De acordo com o jornal, na origem da decisão estará também a provável candidatura de Fernando Seara [actual presidente da Câmara de Sintra] à capital.

    Na capa, o Semanário destaca ainda uma entrevista ao constitucionalista Jorge Miranda na qual diz: “A equiparação dos juízes aos funcionários públicos não é inconstitucional em matéria de estatuto remuneratório”.

    Passada a jornada europeia, os jornais desportivos voltam atenções para o Benfica-FC Porto de sábado, o jogo mais importante da 12ª jornada da Liga portuguesa de futebol.

    “Eles já jogam o clássico ao telemóvel”, anuncia O Jogo, sobre imagem de um telefone celular, referindo que os uruguaios Máxi (Benfica) e Fucile (FC Porto) trocam piropos sobre o jogo de sábado.

    O Record teve ideia semelhante e “juntou uruguaios que prometem fazer faísca no clássico da Luz”: “Maxi desafia Fucile”, titula o jornal, sobre foto dos dois jogadores.

    Em A Bola o destaque vai para o central brasileiro David Luiz, que afirma contar “com o factor casa para ajudar o Benfica”: “O nosso público empolga-nos”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.