Açoriano Oriental
Rancho de Natal da Casa do Povo de Santo Amaro atua em redor da ilha do Pico

Cerca de 30 pessoas preparam-se para a estreia do repertório deste ano do Rancho de Natal da Casa do Povo de Santo Amaro, na ilha do Pico.


Foto: Célia Machado
Autor: Célia Machado/AO Online

A primeira atuação é na noite de amanhã, dia 21 de dezembro, na festa de Natal da freguesia de Santo Amaro, marcada para o salão da Sociedade Filarmónica Recreio Santamarense. Porém, este não será um concerto único. O rancho de Natal vai estar em mais uma dúzia de localidades dos três concelhos, de 1 a 5 de janeiro, dando continuidade ao que já começa a ser tradição: levar uma mensagem de amor, paz e esperança em redor da ilha.

É numa das salas de aula da antiga Escola Primária da freguesia que os ensaios têm acontecido, sob a orientação de Hélio Terra e Mónica Goulart. A parte instrumental, com oito músicos, começou a ser ensaiada no início de novembro e, um pouco mais tarde, juntaram-se 21 vozes maioritariamente de Santo Amaro, mas também da Prainha e de Santo António; integra ainda o grupo um professor do continente que vive há algum tempo na mais pequena freguesia do Pico. “Todos os anos há pessoas que não podem continuar, por diversos motivos, e caras novas que se juntam a nós”, enfatiza Jorge Dutra, presidente da direção da casa do povo desde 2017. Este rancho é motivo de genuíno convívio entre diversas gerações mas cuja existência tem um sentido muito mais profundo. “Há quem chore de emoção quando nos ouve”, frisa Hélio Terra.

O rancho começou em 2011 por José Leonardo Goulart, então presidente da casa do povo santamarense, e tem ganho admiradores. “A assistência, por vezes, pode não ser muita mas aprecia bastante o nosso trabalho, é muita atenta e temos seguidores”, diz Mónica Goulart. Há quem pergunte, com antecedência, o dia e a hora em que o rancho passará pela sua localidade e quem, já bem sentado, aguarde ansiosamente, nos salões, pela chegada do grupo.

Às palavras típicas desta época do ano – como alegria e fraternidade - o Rancho de Natal de Santo Amaro inclui num dos seus temas a hipocrisia, num olhar mais cru ao modo como o Natal é festejado e à atuação do próprio homem na sociedade atual: “promessas levadas pelo vento” e “mãos hipócritas que, com aperto de mão, selam desejos de paz” entoam os cantores do rancho de Santo Amaro.

Tal como anteriormente, os quatro temas, inéditos, têm letra e música de Hélio Terra, que começou, em 2006, na sua freguesia, a ensaiar ranchos de Natal e a compor temas alusivos a esta festa.

Embora em Santo Amaro, noutros tempos, a tradição fosse cantar aos reis, a casa do povo tem orgulho em manter o rancho. É o conforto dado a quem vive só, o recordar de natais de outros tempos e a amizade que se renova com aqueles que encontram à sua espera; dois dedos de conversa, antes da partida para o salão seguinte e as gargalhadas dadas durante as deslocações no autocarro.


Atuações na ilha do Pico

1 de janeiro: Ribeirinha, Lar de Idosos Senhora da Piedade (Piedade) e Manhenha; dia 2: Noite de Reis, no Auditório da Escola Básica e Secundária de São Roque do Pico; dia 4: Lar de Idosos Rainha Santa Isabel (Cais do Pico), Lar de Idosos Santa Maria Madalena (Madalena) e participação no XXVIII Encontro de Ranchos de Natal da Casa do Povo da Criação Velha; e, no dia 5, Lar de Idosos Calvino dos Santos (Lajes), São João, Terra do Pão, Candelária e Monte.


(O programa pode sofrer alguma alteração)



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.