Açoriano Oriental
Novo Banco
Ramalho diz que carteira de imóveis do BES era “má, velha e ilegal”

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse, perante os deputados da comissão de orçamento e finanças, que a carteira de imóveis que o banco 'herdou' do BES e que teve de vender era “má, velha e ilegal”.

Ramalho diz que carteira de imóveis do BES era “má, velha e ilegal”

Autor: Lusa/AO Online

Segundo António Ramalho, da carteira só 14% eram residenciais, 35% dos ativos tinham mais de cinco anos (e 100 imóveis tinham mesmo mais de 20 anos) e “ilegal” porque, em geral, os bancos são obrigados a vender imóveis no prazo de dois anos.

Ainda de acordo com o gestor, as vendas de imóveis foram competitivas e sujeitas à “autorização prévia do Fundo de Resolução” no caso dos imóveis cobertos pelo mecanismo de capital contingente (ou seja, imóveis cujas perdas são compensadas pelo Fundo de Resolução bancário).

Sobre a escolha da empresa Alantra como consultora do Novo Banco, Ramalho assumiu que essa foi uma decisão do Conselho de Administração depois de o departamento de ‘compliance’ o ter desaconselhado por a presidente executiva da Alantra Portugal, Rita Barosa, ter sido assessora de Ricardo Salgado no BES (como noticiou o Público).

A administração do banco acabou por escolher a Alantra Espanha para o assessorar na venda de imóveis, sem intervenção da equipa portuguesa.

"Confesso que me sinto quase indignado por ter de explicar a minha ética republicana", disse Ramalho, acrescentando que não conhece Rita Barosa, mas considerando que alguém ter integrado determinada empresa não pode prejudicar a sua vida profissional e a própria empresa.

Estas declarações levaram a deputada do BE Mariana Mortágua a afirmar que o facto de o presidente executivo do Novo Banco se sentir incomodado ou o Novo Banco insultado por determinadas perguntas não leva a que os deputados deixem de as fazer.

Na resposta ao BE, entre elogios às capacidades intelectuais de Mariana Mortágua, António Ramalho defendeu que "o Novo Banco não é um jogo político para ser jogado, não é um Az neste jogo".

"Temos entre nós um acordo muito claro. Eu não contribuo nunca para a sua eleição e sei que não gostaria que eu fosse eleito", afirmou ainda.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.