Quatro países dos Himalaias chegam a acordo para enfrentarem as alterações climáticas

Quatro países dos Himalaias chegam a acordo para enfrentarem as alterações climáticas

 

Lusa / AO online   Internacional   20 de Nov de 2011, 12:01

Quatro países dos Himalaias ameaçados pelas alterações climáticas vão colaborar em matéria de energia, alimentação e biodiversidade, de forma a adaptarem-se às mudanças, um acordo alcançado após uma cimeira de dois dias no Butão.

Índia, Nepal, Bangladesh e Butão participaram na conferência, que decorreu na capital do Butão, Thimphu, acordando quanto à cooperação a nível de energia, água, alimentação e biodiversidade.

“O sucesso da nossa iniciativa não terá apenas benefícios diretos e imediatos para os nossos povos, mas podemos estar a criar um precedente valioso para outros países que partilham condições semelhantes”, disse o primeiro-ministro do Butão, Lyonchhoen Thinley, numa declaração à imprensa citada pela Associated Press.

Paquistão, China e Afeganistão não participaram na cimeira, mas estas ausências foram desvalorizadas pela organização, que justificou que o encontro estava focado em garantir segurança aos ecossistemas, espécies ameaçadas e recursos de água e alimentação apenas para a região leste dos Himalaias.

Os participantes da cimeira apelaram à ação face à incapacidade da comunidade internacional para chegar a um acordo para limitar as emissões de gases com efeitos de estufa, responsáveis pela alterações climáticas mundiais.

Os quatros países concordaram em trabalhar juntos para melhorar o acesso a recursos energéticos “acessíveis e de confiança” e a tecnologias através de um mecanismo de partilha do conhecimento regional, segundo uma declaração da organização ambientalista World Wildlife Fund (WWF).

O tema mais polémico foi o da água, de acordo com a WWF, mas os países acordaram em colaborar na gestão do ecossistema e desastre, partilhando as suas experiências na eficiência do uso da água.

Tensões regionais têm dificultado a cooperação entre os países dos Himalaias, incluindo a pesquisa no maior bloco de glaciares fora das regiões polares, que contém 40 por cento da água mundial.

Houve ainda consenso quanto à segurança alimentar, com o acordo a prever formas de adaptar e melhorar a produção de alimentos e para garantir um melhor acesso das comunidades vulneráveis a comida.

A próxima ronda de conversações sobre clima promovida pelas Nações Unidas vai decorrer em Durban, África do Sul, a partir de 28 de novembro, mas há expetativas limitadas de que daquele encontro saia qualquer avanço.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.