PS considera "inaceitável" proposta da ERSE para introdução da telecontagem na electricidade


 

Lusa/Ao online   Nacional   6 de Dez de 2007, 11:05

O PS considerou hoje "inaceitável" a proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) ao Governo no sentido de fazer recair no consumidor custos com a substituição dos actuais contadores por novos contadores de electricidade por telecontagem.
"Estamos perante uma tentativa de aumento encapotado da electricidade, o que é inaceitável", afirmou à agência Lusa o deputado e líder do PS/Porto, Renato Sampaio.

    A ERSE propôs ao Governo que os contadores de electricidade sejam substituídos por um período de 6 anos, entre 2010 e 2015.

    De acordo com os cálculos da ERSE, isso vai implicar um acréscimo na factura para um consumidor doméstico médio de 9,2 cêntimos por mês nos anos mais significativos, ou seja, entre 2015 e 2019.

    O deputado Renato Sampaio, líder da maior federação socialista do país, o Porto, sublinha que a Assembleia da República aprovou a 15 de Março passado, na generalidade, um projecto de lei da sua autoria para introduzir alterações aos serviços públicos essenciais.

    "O diploma já aprovado prevê exactamente o contrário [do que aponta a proposta da ERSE]. Os custos inerentes aos aparelhos de medição devem ser suportados pela entidade fornecedora do serviço e não pelo consumidor", salienta Renato Sampaio, dizendo que o seu projecto deverá ser em breve aprovado na especialidade e em votação final global no Parlamento.

    Segundo o líder do PS/Porto, caso a proposta da ERSE fosse aplicada, "acabaria por configurar uma verdadeira taxa fixa e permanente".

    "Por essa razão, do ponto de vista do PS, a substituição dos actuais contadores para contadores de electricidade por telecontagem deve ser suportada pela EDP. Para mais, esta alteração resulta da vontade da própria EDP e não dos consumidores, já que tem como objectivo facilitar as leituras de consumo", sustenta o deputado socialista.

    Renato Sampaio refere ainda que a substituição por novos contadores dispensará funcionários de fazerem as leituras presenciais.

    "Coma telecontagem, haverá seguramente uma redução dos custos de exploração, sendo claramente beneficiada a EDP", advogou ainda, deixando ainda mais um recado a esta empresa.

    "Se a EDP vai ter indiscutíveis vantagens com a introdução da telecontagem, não pode ainda pretender cobrar mais aos consumidores", acrescentou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.