PS/Açores sublinha trabalho da escola de Rabo de Peixe no combate à exclusão social

PS/Açores sublinha trabalho da escola de Rabo de Peixe no combate à exclusão social

 

Lusa/AO Online   Regional   8 de Jan de 2019, 15:40

Os deputados de São Miguel do PS/Açores sublinharam, esta terça-feira, o papel da Escola de Música de Rabo de Peixe no combate à pobreza e exclusão social no concelho da Ribeira Grande.

Em declarações aos jornalistas após uma visita à instituição, a deputada socialista Renata Botelho afirmou que a Escola de Música de Rabo de Peixe, gerida pela associação ESMÚSICA.RP desde 2015, é “uma associação que, de facto, trabalha muito bem no combate à exclusão social", num território "problemático dos Açores, que é o concelho da Ribeira Grande".

Renata Botelho ressalvou ainda que a instituição, que integra, de momento, 60 alunos com idades compreendidas entre os seis e os 17 anos, mas que chega aos 100 alunos quando integra o coro, faz um trabalho “meritório” no trabalho desde “a mais tenra idade”.

A deputada frisou que “não é verdade que os Açores são, como alguns partidos da oposição querem fazer crer, a região mais pobre do país”, apontando para os indicadores que mostram que “o PIB tem sido revisto em alta".

"Os Açores são a única região que convergiu com a média europeia, segundo um relatório muito recente, o rendimento disponível das famílias está acima da média nacional", afirmou.

Ainda assim, a pobreza é um problema que “preocupa muitíssimo” o PS/Açores, mas a deputada sublinha que “o combate à exclusão social tem que ser feito por todos”.

“É com o trabalho de associações como a Escola de Música de Rabo de Peixe, que agarra nos miúdos novinhos e que lhes abre horizontes e lhes mostra novas perspetivas de vida, numa linguagem absolutamente extraordinária, que é uma linguagem artística, neste caso focada na linguagem ‘jazzística’, é assim que nós acreditamos que se combate a pobreza, que se combate a exclusão social”, considerou a parlamentar.

A Escola de Música de Rabo de Peixe surgiu em 2001, por iniciativa da presidência do Governo Regional, no âmbito de um Plano de Intervenção Específica em Rabo de Peixe, e começou por dar formação clássica, tendo-se redirecionado para o jazz.

Foi integrada no serviço educativo do Teatro Micaelense em 2005, que gere também o Cineteatro Miramar de Rabo de Peixe, espaço onde fica sedeada a escola, sendo que, em 2015, passou a ser uma instituição autónoma, através da criação da Associação Musical ESMÚSICA.RP.

A associação conta com o apoio financeiro da Direção Regional da Cultura e funciona há 18 anos “com algumas dificuldades”, mas “tem vindo a criar já toda uma geração de miúdos que, através da manifestação artística, têm vindo a desenvolver novos horizontes e novas perspetivas de vida”, afirmou a deputada Renata Botelho.

Carlos Mendes, presidente da Associação Musical ESMÚSICA.RP e formador na escola de jazz, apontou, durante a visita, problemas com as instalações, que não estão preparadas para receber uma escola de música, nomeadamente a falta de isolamento sonoro nos ateliers e algumas falhas de segurança no pátio que dá acesso aos ateliers, que são frequentados por crianças em idade escolar, mas também falta de verbas para aquisição de instrumentos.

Renata Botelho observou que compete aos deputados do grupo parlamentar socialista eleitos pelo círculo eleitoral de São Miguel alertar para a "preocupação desta escola e fazer com que essas situações vão sempre encontrando situações mais benéficas".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.