PS/Açores diz que população pode confiar na rede de cuidados continuados


 

Lusa/AO Online   Regional   26 de Jul de 2019, 08:44

O PS/Açores disse hoje que os resultados da Comissão de Inquérito à Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados permitem dar confiança à população sobre os serviços prestados, em resposta às críticas do PSD.

“A comissão de inquérito permitiu clarificar e esclarecer a importância que esta resposta social e de cuidados de saúde tem na nossa região e também permite clarificar a margem de progressão e melhoria que existe”, afirmou o deputado socialista João Paulo Ávila, numa nota de imprensa, enviada à Lusa, acrescentando que a comissão “permitiu esclarecer que os açorianos podem confiar nos serviços prestados”.

O PSD/Açores propôs a criação de uma comissão de inquérito parlamentar para apurar alegadas falhas na prestação de cuidados a idosos na Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados, na sequência de reportagens da TVI que denunciavam maus-tratos, em julho de 2018.

A comissão foi criada em setembro de 2018 e na sexta-feira foi aprovado o relatório final, com os votos favoráveis de PS, BE e CDS e os votos contra dos deputados do PSD.

A vice-presidente da bancada parlamentar do PSD no parlamento açoriano Mónica Seidi defendeu, hoje, em conferência de imprensa, que a comissão de inquérito falhou os seus “dois grandes objetivos”, justificando o voto contra dos social-democratas.

“Nós tínhamos o objetivo de apurar a verdade e de tranquilizar os açorianos. Não podemos ter um relatório fidedigno e real quando tentamos ao longo destes nove meses visitar instituições e não conseguimos, quando tentamos ter acesso a documentação, de forma a preparar melhor as audiências e interrogatórios a intervenientes chave neste processo e não conseguimos”, adiantou.

Em resposta, João Paulo Ávila, coordenador do PS/Açores na Comissão de Inquérito à Rede de Cuidados Continuados, disse que todos os deputados sabiam que “estavam e iriam decorrer processos judiciais sobre o mesmo assunto e que estes processos poderiam colidir com os trabalhos desta comissão”, acrescentando que o relatório foi “aprovado por larga maioria”.

“Aquilo que o Partido Socialista acha estranho é o facto de o PSD, mais uma vez, ter ficado sozinho numa decisão do parlamento, mesmo tendo aprovado a grande maioria do conteúdo do relatório em questão”, salientou.

O deputado disse que o PS impediu que a comissão “ficasse com o seu trabalho a meio como queria o PSD”, referindo-se à proposta social-democrata de “suspensão” dos trabalhos, até que os intervenientes no processo deixassem de estar condicionados pelo segredo de justiça, chumbada pelos socialistas.

“O grupo parlamentar do PS/Açores esteve, desde a primeira hora, comprometido com o apuramento dos factos, para garantir o cabal esclarecimento da sociedade açoriana, que ficou alarmada quanto aos cuidados prestados aos idosos nos Açores”, afirmou.

João Paulo Ávila frisou, por outro lado, que a comissão avaliou o funcionamento de “praticamente toda a rede de cuidados continuados” e que “só não visitou todas as ilhas porque foi deliberado por unanimidade a vinda à comissão dos representantes destas unidades de saúde”.

O PSD alegou também que ficaram por apurar responsabilidades, mas o deputado socialista defendeu que o Governo Regional, liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, “atuou corretamente sempre que foram denunciadas suspeitas de problemas nos cuidados prestados”, mesmo “antes das situações referidas na reportagem que levou o PSD a exigir a criação desta comissão de inquérito”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.