Privatização da SATA aquece ânimos entre PS e PSD no parlamento dos Açores

Privatização da SATA aquece ânimos entre PS e PSD no parlamento dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   28 de Nov de 2018, 17:29

Um debate sobre uma eventual privatização da SATA e apreciações sobre impostos dos combustíveis motivaram, esta quarta-feira, uma troca acesa de palavras no parlamento dos Açores entre o PS e o PSD, com o presidente do executivo também a intervir.

No que refere à transportadora aérea, a deputada do PS, Bárbara Chaves, assinalou o que diz ser uma "mudança de opinião" no PSD/Açores ao admitir agora uma eventual privatização da SATA Air Açores - que assegura os voos interilhas - e a perda da maioria do capital social numa alienação da Azores Airlines, que opera para fora do arquipélago.

"Há uma mudança de opinião, de posição, que os senhores não desmentem nem confirmam (...) entalados entre a pressão das ilhas mais pequenas e os interesses da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada", acusou a socialista.

Na resposta, o deputado do PSD, Luís Rendeiro, questionou o que é que faria em concreto uma "SATA falida", lembrando o "agravamento absoluto" das contas da empresa em anos recentes.

"Queremos analisar todas, mas mesmo todas as opções para salvar a SATA. Porque nós queremos salvar a SATA. A receita do PS e deste Governo [Regional] já todos sabemos qual é", vincou o social-democrata.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, dirigiu-se posteriormente ao parlamentar e disse: "Quando o PSD tiver decidido o que quer fazer quanto à privatização da SATA, falamos".

A proposta de Orçamento dos Açores para 2019, cujo debate e votação sucedem até sexta-feira, tem um valor global de 1.604,8 milhões de euros e pretende ser, diz o executivo regional, um documento de "confiança" e "previsibilidade" no trajeto económico.

Dos mais de 1,6 mil milhões de euros do orçamento, um total de 205,6 milhões de euros diz respeito a operações extraorçamentais.

"Prevê-se que as despesas de funcionamento dos serviços e organismos da administração regional atinjam os 887,5 milhões de euros, sendo financiadas quase integralmente pelas receitas próprias, que se estimam em 742,3 milhões de euros, o que corresponde a uma taxa de cobertura de 83,6%", indica a proposta.

O parlamento dos Açores debate e vota esta semana o Orçamento, sendo que o PS, partido que suporta o Governo Regional, tem maioria absoluta no hemiciclo.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.