Preservativos olímpicos vão ser leiloados em Pequim

Preservativos olímpicos vão ser leiloados em Pequim

 

Lusa/AO Online   Internacional   5 de Nov de 2009, 11:13

Um lote de 5000 preservativos que sobrou dos 100.000 distribuídos aos participantes nos Jogos Olímpicos de 2008 vai ser leiloado em Pequim a 29 de Novembro, revelou hoje a imprensa oficial chinesa.

A base de licitação para cada preservativo é de apenas 1 yuan (dez cêntimos), mas quem estiver interessado naquela singular recordação terá de comprar o lote inteiro.

É o primeiro leilão do género realizado na China e visa, segundo os promotores, “promover a consciência pública acerca do sexo seguro e da prevenção da sida”.

Durante os Jogos Olímpicos de Pequim, no Verão de 2008, as autoridades locais distribuíram gratuitamente 100.000 preservativos pelas clínicas da Aldeia Olímpica.

“Na aldeia olímpica existem muitos jovens saudáveis e solteiros e, como em qualquer outro lugar, alguns podem-se apaixonar e, portanto, precisamos de disponibilizar preservativos”, explicou na altura o porta-voz da ONU/SIDA para a China, Ole Hansen.

Cerca de 10.500 atletas participaram nos Jogos de Pequim.

O número de 100.000 preservativos foi decidido em função das necessidades sentidas nos Jogos anteriores. Em 2000, em Sidney, os 70.000 preservativos distribuídos pela organização esgotaram-se rapidamente.

O lote de 5000 que sobrou e que foi entretanto adquirido por um coleccionador privado vai ser leiloado com outras recordações dos Jogos Olímpicos, entre as quais uma tocha assinada por Pelé.

O leilão, organizado pela secção de Desporto da Associação Chinesa de Coleccionadores, decorrerá num Centro Internacional de Exposições perto da Aldeia Olímpica de Pequim.

Segundo estimativas do Ministerio da Saúde chinês citadas esta semana na imprensa oficial, a China terá cerca de 70 milhões de seropositivos, mais de metade dos quais não sabem que estão infectados.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.