Pneumonia responsável por 1/5 das mortes infantis em todo o mundo

Pneumonia responsável por 1/5 das mortes infantis em todo o mundo

 

Lusa/AO online   Internacional   12 de Nov de 2013, 16:56

A pneumonia "continua a ser a principal causa isolada de morte das crianças com menos de cinco anos", sendo responsável por um quinto das mortes infantis em todo o mundo, alertaram três organizações internacionais.

 

No dia em que se assinala o combate à pneumonia, a Organização Mundial de Saúde, a Unicef (fundo das Nações Unidas para as crianças) e a aliança GAVI, que reúne governos, fundações e empresas, contabilizaram em “mais de um milhão" as crianças que morrem anualmente em resultado da doença.

Em comunicado, as três organizações sublinham que aquelas mortes são evitáveis se forem tomadas cinco medidas “não necessariamente complicadas” para prevenir, tratar ou controlar a doença, alertando, porém, que nenhuma delas vale por si só, sendo necessário combinar todas.

As soluções identificadas são: a criança ser alimentada exclusivamente por leite materno durante os primeiros seis meses de vida e, até aos dois anos, por uma combinação de leite materno e outros alimentos; ser vacinada contra a tosse convulsa, o sarampo, a bactéria Haemophilus influenzae de tipo b e a doença pneumocócica; e receber o tratamento adequado, incluindo oxigénio e antibióticos com amoxicilina.

Para além disso, é imperioso o acesso a água potável, a água para lavar as mãos e a instalações sanitárias apropriadas, bem como a equipamento de cozinha que reduza a poluição do ar dentro de casa.

“A cada 30 segundos, uma criança com menos de cinco anos morre de pneumonia. É uma grande vergonha, já que sabemos o que é preciso fazer para prevenir que as crianças morram em resultado da doença”, afirmou Mickey Chopra, chefe do departamento de saúde da Unicef.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.