Açoriano Oriental
Plano de Trump “não é perfeito”, mas líderes palestinianos devem dialogar -

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu que o plano de o plano de paz norte-americano para o Médio Oriente divulgado por Donald Trump "não é perfeito", mas convidou a Autoridade Palestiniana a dialogar.

article.title

Foto: EPA/WILL OLIVER
Autor: Lusa/AO Online

"Nenhum plano é perfeito, mas este tem o mérito de propor uma solução com dois Estados e asseguraria que Jerusalém seria a capital tanto de Israel como do povo palestiniano", afirmou na Câmara dos Comuns, durante o debate semanal com os deputados.

Boris Johnson respondia ao líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, que alegou que o plano "não é de paz" porque "anexar território palestiniano, permite a colonização ilegal por Israel, transforma cidadãos palestinianos em cidadãos israelitas e retira direitos fundamentais aos palestinianos".

O primeiro-ministro desafiou Corbyn, um ativista dos direitos dos palestinianos, a "falar com amigos na Autoridade Palestiniana para conversar sobre esta iniciativa e dialogar, em vez de deixar um vácuo político".

Divulgado na terça-feira por Trump ao lado do primeiro-ministro israelita em funções, Benjamin Netanyahu, o plano prevê a anexação de partes da Cisjordânia ocupada e suscitou a aprovação de numerosos israelitas e a cólera dos palestinianos.

Entre os numerosos pontos sensíveis do plano está a anexação por Israel dos colonatos que criou na Cisjordânia ocupada desde 1967, em particular no vale do Jordão, que deve tornar-se a fronteira oriental de Israel.

O plano exige um congelamento de construção de novos colonatos israelitas, durante quatro anos, para permitir à Palestina consolidar o seu Estado, enquanto decorrem negociações para estabilizar a situação.

O Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Habbas, considerou o plano de paz para o Médio Oriente de Donald Trump como "absurdo" e o movimento Hezbollah considerou-o uma "tentativa de eliminar os direitos do povo palestiniano".

Num comunicado publicado na terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, considerou o plano "uma proposta séria, que reflete grande um esforço e tempo".

Porém, disse que só os líderes de Israel e dos palestinianos podem avaliar as propostas e negociar para que seja possível uma coexistência pacífica e criar oportunidades

"Nós incentivamo-los a considerar este plano de forma genuína e justa e a explorar se pode ser o primeiro passo no caminho de volta às negociações", afirmou.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.