Açoriano Oriental
Piloto checo viajou para São Miguel mesmo sem rali

Estreou-se no Azores Rallye no ano passado e gostou tanto da prova que regressou este ano, mesmo sem rali. Erik Cais fez um vídeo nas Sete Cidades que conquistou o ‘coração’ dos adeptos


Autor: Rui Jorge Cabral

“Onde está o Azores Rallye? Eu estou aqui!”... Foi desta forma que o jovem piloto de 21 anos da República Checa, Erik Cais, manifestou a sua desilusão por não poder participar no Azores Rallye, que se deveria ter disputado neste fim de semana.

Num vídeo, Erik Cais aparece sozinho, numa Vista do Rei deserta, junto ao início do famoso troço das Sete Cidades... Mas não há rali! No entanto, esta situação não impediu Erik Cais de viajar na mesma para São Miguel. E em vez de se sentar no carro para sentir o stresse de lutar contra o cronómetro nas seletivas classificativas do Azores Rallye, o jovem piloto checo tirou antes umas miniférias descansadas e aproveitou para conhecer melhor uma ilha que considera muito especial.

O vídeo que Erik Cais fez nas Sete Cidades e publicou na sua página oficial nas redes sociais Facebook e Instagram ganhou o ‘coração’ dos adeptos de ralis açorianos e mesmo nacionais, tendo gerado muitas reações de espanto e de agradecimento.

O piloto publicou também fotografias de São Miguel com a frase “Como eu gosto de passar o meu tempo livre nos Açores”! Afinal, que melhor promoção pode a Região ter senão estes momentos genuínos de apreço pelos Açores?

Contactado pelo Açoriano Oriental, o piloto Erik Cais afirmou que a sua intenção ao fazer este vídeo foi demonstrar que tinha “muita pena” por o Azores Rallye não se realizar este ano e, para o assinalar, escolheu o seu troço mais icónico, o das Sete Cidades.

“Julgo que foi uma boa decisão - embora simultaneamente triste - a de cancelar o rali este ano devido à circunstância de não sabermos como a situação da Covid-19 irá evoluir”, afirmou Erik Cais numa entrevista por escrito, salientando que no troço das Sete Cidades, que tanto aprecia, “uma grande concentração de pessoas iria lá estar, o que não é desejável neste momento... Todos temos de respeitar as regras”.

Sobre o facto da notícia da não realização do Azores Rallye este ano só ter sido conhecida a menos de um mês da realização da prova, Erik Cais admite que “teria sido mais agradável” saber antes, mas afirma “compreender que os organizadores fizeram o melhor que podiam para tentar realizar o rali”.

O piloto revela que já tinha viagens de avião e estadias pagas e se sua viagem não se perdeu, ao aproveitar para fazer férias em São Miguel, o mesmo já não se pode dizer das viagens da sua restante equipa. No entanto, também aqui o jovem piloto checo mostra-se compreensivo em relação às circunstâncias muito anormais que se estão a viver. “Estes são tempos difíceis, não só porque muitos ralis estão ser cancelados, mas também pelo que isso implica em termos de patrocinadores e assuntos relacionados”, afirma Erik Cais.

A jovem esperança checa nos ralis internacionais tem ao seu lado uma mulher navegadora - Jindriska Záková - e estreou-se no ano passado no Azores Rallye, terminando em 18.º lugar da geral, quinto na sua classe das duas rodas motrizes.

A sua opinião sobre o rali açoriano do Campeonato da Europa é clara: “O Azores Rallye é um dos mais belos ralis em que já participei! Tem uma paisagem tão específica que será sempre um prazer regressar para fazer o rali”, afirma.

Contudo, este ano Erik Cais regressou, mas como turista. E a sua opinião nessa qualidade não difere muito da opinião como piloto. “A ilha é incrível e eu recomendo este destino às pessoas que conheço. Os lugares e as oportunidades para viajar e visitar são tremendas”, explica o piloto checo, que considera também o rali no Campeonato na Europa como uma grande promoção para os Açores no exterior, de que ele próprio é um exemplo.

Conforme explica Erik Cais, “o ERC tem uma boa base mediática e, graças a ela, podemos apreciar uma rara combinação de carros de rali com uma natureza esplêndida que, definitivamente, atrai muitas pessoas e adeptos”.

Sobre a viagem a São Miguel em tempos de pandemia, Erik cais afirma ter-se sentido “seguro”, acrescentando “que é bom saber que só as pessoas com teste negativo podem entrar na ilha”.

Desportivamente, o jovem piloto checo trocou este ano o Ford Fiesta R2T com que correu nos Açores em 2019 por um Ford Fiesta Rally2, da mais evoluída categoria R5. O objetivo, para já, é “ganhar experiência”, afirma Erik Cais, porque “o R5 é tão diferente, comparado com o R2, que é preciso conhecer bem o carro para se poder andar nos limites e, para isso, neste momento eu valorizo a experiência ganha em cada rali terminado com este novo carro”, conclui.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.