Perto de 10 mil refugiados líbios podem beneficiar de corredores humanitários em 2018

Perto de 10 mil refugiados líbios podem beneficiar de corredores humanitários em 2018

 

Lusa/AO online   Internacional   24 de Dez de 2017, 18:15

Perto de 10.000 pessoas que se encontram nos campos de refugiados na Líbia poderão beneficiar em 2018 de corredores humanitários que os levem com segurança para a Europa com o estatuto de refugiados, estimou neste domingo o governo italiano.

"Em 2018, até 10.000 refugiados podem vir a chegar com segurança à Europa através de corredores humanitários", disse o ministro do Interior italiano, Marco Minniti, numa entrevista publicada domingo no jornal La Repubblica.

Na sexta-feira, um grupo de 162 refugiados "vulneráveis" chegou por avião militar a Roma, o primeiro para o país italiano.

O grupo foi selecionado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que os considerou imediatamente como "refugiados" e não como requerentes de asilo. Como tal, eles beneficiam à sua chegada de ajuda económica e têm direito a cursos de integração (cursos de línguas, formação e escolas para as crianças).

"De acordo com os objetivos da Organização Internacional para as Migrações, 30 mil migrantes sem direito a asilo podem ser repatriados para os seus países de forma voluntária" em 2018, disse o ministro italiano, observando que, em 2017, 18 mil o tinham feito.

O ministro disse acreditar que um acordo entre Roma e Trípoli permitia ao ACNUR selecionar aqueles que são elegíveis para assistência internacional.

"As organizações internacionais também já podem visitar os centros de acolhimento e melhorar as condições de vida, ainda hoje inaceitáveis", acrescentou o ministro.

Antes de chegar a essas "rotas legais", a Itália teve que tomar medidas "credíveis" de firmeza em colaboração com a guarda costeira da Líbia para controlar melhor os fluxos "ilegais" de migrantes que chegam pelo mar, apontou Minniti.

De 01 de janeiro a 22 de dezembro de 2017, o numero de migrantes que chegaram à costa italiana (118.914 pessoas no total) caiu para 33,8% em relação ao mesmo período de 2016 (179.769 pessoas).

Este ano, a Itália conseguiu transferir 11.000 migrantes para outros países da União Europeia, contra somente 2.500 no ano anterior.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.