Pelo menos 33 mortos em motim em prisão na Argentina

 Pelo menos 33 mortos em motim em prisão na Argentina

 

Lusa / AO online   Internacional   6 de Nov de 2007, 16:10

Pelo menos 33 pessoas morreram domingo num motim numa prisão do centro da Argentina onde um drama semelhante causara já 32 mortos em 2005, revelaram as autoridades.
As vítimas são todos detidos de uma prisão dos arredores de Santiago del Estero (800 quilómetros a norte de Buenos Aires), mortos por asfixia ou queimados vivos no incêndio que eles próprios desencadearam domingo à noite.

O número de vítimas mortais ascende já a 33 e há 20 feridos, nomeadamente vários guardas prisionais, disse o procurador que tem o processo, Christian Vittar.

Muitas delas foram encontradas estendidas no chão nos sanitários do pavilhão onde estavam detidas, com a cara coberta por um lenço ou um lençol para proteger do funo.

O balanço pode ainda aumentar, vários feridos estão em estado crítico, segundo fontes policiais. O drama ocorreu quando detidos pegaram fogo aos colchões para protestar contra as condições de detenção e as chamas rapidamente escaparam ao controlo, revelou uma fonte próxima dos bombeiros de Santiago del Estero, capital da província do mesmo nome, no centro-norte do país.

O ministro da Justiça desta província, Ricardo Daives, indicou, por seu lado, que o incêndio aconteceu na sequência de uma tentativa de evasão falhada, que depois se transformou num motim.

" Ocorreu um motim com tentativa de evasão no pavilhão 2 onde estão detidas 42 pessoas ", disse, por seu lado, o director da prisão, Rudolfo Camano. Este pavilhão é ocupado por condenados por roubo à mão armada e outros crimes, precisou Daives.

Dezenas de familiares dos detidos, entre os quais numerosas mulheres e mães concentraram-se de manhã em frente das portas de prisão para obter informações. "Queremos saber quem morreu, queremos nomes", gritava a multidão.

Não é a primeira vez que um motim se transforma em drama depois de um incêndio desencadeado pelos detidos. Em Outubro de 2005, um episódio semelhante causara 32 mortos na prisão de Magdalena, na província de Buenos Aires.

As condições de detenção nas prisões argentinas são denunciadas com regularidade pelos organismos de defesa dos dirietos humanos.

O motim mais mortífero do país, ocorrido no estabelecimento penitenciário de Villa Devoto em Buenos Aires, saldou-se por 61 mortos em Março de 1978.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.