Sismo

Pelo menos 30 mortos devido a sismo no Tibete


 

Lusa/AOonline   Internacional   6 de Out de 2008, 16:00

Pelo menos 30 pessoas morreram num sismo de magnitude 6,3 que abalou o Tibete, anunciaram as autoridades locais citadas pela agência oficial Nova China.
O tremor de terra ocorreu às 16:30 locais (09:30 em Lisboa) numa zona pouco povoada situada a 84 quilómetros a oeste da capital, Lhassa, no distrito de Damxung, onde habitam cerca de 42.000 pessoas, indicou o Departamento sismológico do Estado.

    O Instituto de geofísica norte-americano (USGS) tinha calculado em 6,6 a magnitude do sismo na escala "de momento" (Mw), antes de reduzir o valor para 6,3.

    O epicentro do sismo no Tibete situa-se perto da localidade de Ningzhong, indicou o director do departamento sísmico tibetano citado pela Nova China, precisando que casas se tinham desmoronado.

    "Tentamos determinar o número exacto" de vítimas, disse aquele responsável, Zhu Quan.

    O tremor foi sentido fortemente em Lhassa.

    O USGS precisou que uma réplica de 5,1 foi registada mais ou menos no mesmo sítio 15 minutos mais tarde.

    A China é regularmente afectada por abalos telúricos.

    Um tremor de terra de magnitude 8 abalou a província de Sichuan (sudoeste) a 12 de Maio, causando mais de 87.000 mortos ou desaparecidos.

    Na manhã de hoje, um sismo de magnitude 5,7 abalou a região muçulmana de Xinjiang (noroeste da China), sem causar vítimas.

    Para medir a potência de um sismo, o USGS utiliza a "magnitude de momento", que está ligada directamente aos parâmetros do sismo (superfície e quantidade de deslizamento sobre a falha).

    Nesta escala aberta, um sismo atingindo uma magnitude de pelo menos 6 é considerado violento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.