Os primeiros Globos de Ouro depois da vaga de acusações de assédio sexual em Hollywood

Os primeiros Globos de Ouro depois da vaga de acusações de assédio sexual em Hollywood

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   7 de Jan de 2018, 12:45

Os prémios de cinema e televisão Globos de Ouro são hoje entregues em Los Angeles, naquela que será a primeira cerimónia do setor depois de várias denúncias de abusos sexuais que envolvem produtores e atores de Hollywood.

Na edição deste ano dos prémios atribuídos pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, lideram as nomeações, nas categorias de cinema, o filme "The shape of water", do realizador mexicano Guillermo del Toro, e, nas de televisão, a minissérie dramática "Big little lies", de David E. Kelly, produzida pela HBO.

Entre as sete nomeações de "The shape of water", de Guillermo del Toro, filme ainda inédito em sala, em Portugal, estão as de melhor drama, realização, argumento e representação feminina principal e secundária com Sally Hawkins e Octavia Spencer, respetivamente.

Das seis nomeações de “Big little lies”, exibida em Portugal no canal TV Series, quatro são para o desempenho das atrizes Nicole Kidman, Reese Witherspoon, Laura Dern e Shailene Woodley.

Esta será a primeira cerimónia de entrega de prémios de maior relevância em Hollywood, depois de ter rebentado o chamado “escândalo Weinstein”, em outubro.

Dezenas de mulheres, incluindo as atrizes Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino, Ashley Judd, Léa Seydoux, Asia Argento e Salma Hayek denunciaram uma série de episódios diferentes, que vão desde presumíveis comportamentos sexuais abusivos a acusações de violação por parte do produtor Harvey Weinstein, galardoado com um Óscar pela produção de “A Paixão de Shakespeare” (1998).

Desde que foi divulgado o caso, vários escândalos relacionados com acusações de assédio, agressão sexual e até mesmo de violação foram denunciados em vários países do mundo.

Entre os acusados estão figuras como os atores Kevin Spacey e Dustin Hoffman, o ex-presidente da Amazon Studios Roy Price, os realizadores Brett Ratner e James Toback, os jornalistas Charlie Rose, Glenn Thrush e Matt Lauer, o fotógrafo Terry Richardson e o comediante Louis C.K..

Em novembro, a revista norte-americana Time nomeou como “Personalidade do Ano” as pessoas que, nos últimos meses, denunciaram casos de assédio e abuso sexual, num movimento coletivo denominado "#MeToo", surgido nos Estados Unidos.

Já este ano, no dia 01 de janeiro, foi anunciado o projeto “Time’s Up” para apoiar a luta contra o assédio sexual, por mais de 300 atrizes, argumentistas, diretoras e outras personalidades ligadas ao cinema, entre as quais as atrizes Cate Blanchett, Ashley Judd, Natalie Portman e Meryl Streep, a presidente da Universal Pictures, Donna Langley, a escritora Gloria Steinem, a advogada e ex-chefe do Gabinete de Michelle Obama, Tina Tchen, e a co-presidente da Fundação Nike, Maria Eitel.

Entretanto, três das nomeadas aos Globos de Ouro deste ano anunciaram publicamente o seu apoio ao projeto, e que irão vestidas de preto à cerimónia de entrega dos prémios, como parte de um protesto convocado para a ocasião: a cantora e atriz Mary J.Blige, nomeada pelo papel que interpreta em “Mudbound”, Allison Janney, nomeada por “I, Tonya”, e Saoirse Ronan, nomeada por “Early Bird”.

Este ano, a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood irá entregar o Globo de Ouro Cecil B. DeMille, atribuído todos os anos a uma "pessoa com reconhecido impacto no mundo do entertenimento", à apresentadora de televisão, atriz e empresária Oprah Winfrey, também ela vítima de abuso sexual, na infância, por parte de familiares.

A cerimónia será apresentada pelo ator e comediante Set Meyers, que já reconheceu que este provavelmente “não será o ano mais divertido” para o fazer.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.