Saúde

Operação no S. João a menina timorense permitiu retirar todo o tumor


 

LUSA/AO   Nacional   25 de Ago de 2008, 15:34

A cirurgia à menina timorense Natália Santos, que decorreu no Hospital de S. João, no Porto, permitiu remover todo o tumor cerebral, tendo a menina estado sempre "estável" durante as mais de cinco horas de operação.
"Tanto quanto nos parece, a remoção do tumor foi completa", afirmou o neurocirurgião Rui Vaz, que liderou a equipa de médicos no bloco operatório, acrescentando que Natália esteve "estável durante toda a cirurgia", não havendo nenhuma complicação anestésica.

    Segundo referiu, a operação "correu dentro daquilo que era esperado", embora tenha sido "difícil" remover o tumor numa das partes devido às aderências.

    "Não nos parece que tenha ficado lá tecido tumoral, mas essa confirmação só será possível de fazer com uma ressonância magnética" pós-operatória, adiantou Rui Vaz.

    Na sua opinião, tudo faz crer que a Natália não precisará de fazer radioterapia, um procedimento habitual e "muito eficaz" nos casos em que não é possível eliminar todo o tumor.

    O neurocirurgião daquela unidade hospitalar explicou que a ressonância deverá ser feita, caso haja complicações, nas primeiras 72 horas pós-cirurgia, mas que o normal é fazer passados três meses.

    "Às vezes a ressonância demonstra restos (de tumor) que durante a cirurgia não eram perceptíveis", sublinhou.

    Os médicos do Hospital de João terão agora que conversar com a família para definir se Natália ficará por cá até completar os três meses necessários para efectuar a ressonância.

    Caso se verifique ser necessário fazer radioterapia, o tratamento deverá ter a duração entre quatro a seis semanas.

    Rui Vaz afirmou que, agora, "só o tempo dirá" se Natália Santos recuperará de alguns das lesões que o tumor já lhe causou, designadamente a visão de um dos olhos que, actualmente, apenas lhe permitia ver um décimo do possível.

    A menina "nunca se queixou de problemas de visão e estava praticamente cega de um olho", salientou Rui Vaz, que disse esperar que Natália "possa ter uma vida tão normal quanto possível" depois desta cirurgia, que apenas terminou pouco depois das 14:30.

    Natália Santos fica agora internada na unidade de cuidados intensivos pediátricos até que "esteja neurologicamente bem", sendo que nas primeiras 24 horas deverá ficar a dormir.

    Natália Santos chegou a Portugal no início de Agosto, tendo sido transportada desde Timor no mesmo avião que trouxe as forças da GNR que prestaram serviço naquele país lusófono.

    A menina de 10 anos, que vivia com sete irmãos nos arredores da capital timorense, está acompanhada pelo pai, Plágio Aparício, um agricultor de 45 anos, que demonstrou durante todas as horas de cirurgia muito sereno.

    A operação esteve inicialmente prevista para o dia 11 de Agosto, mas a menina contraiu papeira, o que obrigou a adiar a cirurgia.

    A doença terá sido contraída já no S. João ou "na viagem", de acordo com uma médica do S. João, que referiu tratar-se "não de uma infecção hospitalar, mas uma infecção da comunidade".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.