Mar

Oceana pede fim de subsídios ao aumento de capacidade pesqueira da UE

Oceana pede fim de subsídios ao aumento de capacidade pesqueira da UE

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Set de 2011, 12:00

A organização internacional Oceana está preocupada com a sobreexploração do mar e pede o fim dos subsídios ao aumento da capacidade de pesca comunitária, sendo Portugal um dos 10 países que mais apoios recebem, com 130 milhões em 2009.
A Oceana está "gravemente preocupada" com a dimensão dos subsídios que a União Europeia (UE) continua a disponibilizar para o aumento da capacidade pesqueira e estima um valor superior a 3,3 mil milhões de euros de apoios, incluindo as ajudas de cada Estado membro.

“Os subsídios para o aumento da capacidade pesqueira devem parar. Servem para piorar o excesso de capacidade e a sobreexploração pesqueira ao ajudar a financiar uma corrida perigosa e não equitativa pelos últimos peixes” acrescentou a coordenadora da Campanha das Pescas da Oceana Europa, Maria Jose Cornax, citada num comunicado hoje divulgado.

“Precisamos de políticas que considerem essencial o ambiente marinho, e os Fundos devem ser destinados a ter mais Áreas Marinhas Protegidas, à correcta gestão pesqueira e ao financiamento de pesquisas científicas”, acrescenta a responsável.

"Os subsídios para as pescas da UE são três vezes maiores do que os normalmente proporcionados pela Comissão, que só têm em conta pagamentos feitos através dos Fundos Europeus das Pescas, mas não os subsídios dados ao sector pelos Estados membros individualmente", explica a Oceana.

Segundo os dados da organização, em 2009 os subsídios dados ao sector das pescas atingiram um total de 3,3 mil milhões de euros e "em 13 Estados membros, os subsídios recebidos foram mais elevados que o valor total do peixe desembarcado".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.