Obama recusa condições e prazos republicanos e vai continuar a negociar

Obama recusa condições e prazos republicanos e vai continuar a negociar

 

LUSA/AOnline   Internacional   12 de Out de 2013, 10:57

O Presidente dos EUA, Barack Obama, acordou na sexta-feira com o líder dos republicanos na Câmara dos Representantes, John Boehner, continuar a dialogar, mas disse não aceitar a elevação do teto da dívida só por seis semanas.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, indicou que Obama quer um acordo “limpo”, que não esteja condicionado à desistência da reforma da Saúde, legislada desde 2010, e a cortes em programas sociais para reduzir o défice.

Carney pediu aos republicanos para “não usarem a [ameaça] da suspensão de pagamentos como arma nas negociações” nem proporem um aumento do limite do endividamento de apenas seis semanas.

A Casa Branca assegurou que não quer que se repita a mesma dinâmica de negociações em poucas semanas e que a incerteza se instale na primeira economia mundial e nos mercados internacionais.

O porta-voz manifestou-se otimista em relação às atuais negociações com os republicanos para por fim à paralisação parcial da Administração, que entra hoje no 12.º dia, salientando que a impossibilidade de aumentar o limite da dívida até 17 de outubro, quando termina o prazo para o Tesouro pagar as suas obrigações, teria efeitos “catastróficos”.

Obama e Boehner falaram ao telefone na sexta-feira e tiveram uma “boa conversa”, tendo concordado com a necessidade de “continuarem a dialogar”, segundo o porta-voz da Casa Branca.

O Presidente norte-americano acredita que “não podemos permitir que uma fação de um partido”, referindo-se ao Tea Party, “use a ameaça da suspensão de pagamentos para conseguir concessões”.

O grupo republicano mais moderado no Senado apoia um acordo que termine de uma só vez com a paralisação da Administração e aumente o teto da dívida por três meses, algo que os mercados vigiam com atenção, mas a Câmara dos Representantes não alcançou ainda o consenso necessário para desbloquear o processo legislativo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.