"O que é um maluco", mitos e estigmas explicados às crianças

"O que é um maluco", mitos e estigmas explicados às crianças

 

Lusa/AO online   Nacional   10 de Out de 2012, 09:53

"O que é um maluco?" é a questão que vai ser esta quarta-feira lançada a cerca de 50 crianças da Escola Básica de Miraflores, em Oeiras, com o objetivo de desmontar mitos e fantasias sobre a doença mental.

A ideia, que partiu do agrupamento dos centros de saúde de Oeiras e da Casa de Saúde de Carnaxide, é aproveitar o Dia Mundial da Saúde Mental e levar os mais novos a pensar e falar sobre o doente psiquiátrico, tentando perceber que tipo de informação têm e transmitem.

"Estou à espera de encontrar muito preconceito. Muitas destas crianças terão uma atitude de medo e rejeição em relação ao doente mental", prevê, em declarações à Lusa, o psiquiatra Manuel Guerreiro.

A sessão vai ser dirigida a 55 crianças de turmas do 6o ano e pretende ser uma conversa direta e acessível.

O psiquiatra quer tentar desmontar as atitudes de receio e rejeição, lembrando que "um maluco" é uma pessoa, um doente, e que pode estar mesmo ao lado de cada um: um pai, primo ou um professor.

"Qualquer um de nós pode ser um maluco. E não é uma situação para toda a vida, pode ser transitória ou ser controlada", diz Manuel Guerreiro.

O foco é ajudar a que as crianças cresçam sem os preconceitos comuns que prejudicam a integração da doença psiquiátrica na sociedade e também o seu diagnóstico e tratamento.

"Não podemos ter medo de falar sobre doença mental. E é preciso ouvir a sociedade e saber o que pensa, a começar pelas crianças", defende Manuel Guerreiro.

O médico gostaria de alargar esta iniciativa a outras escolas e entende que a educação para a saúde mental deve ser feita o mais cedo possível.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.