Açoriano Oriental
5G
Noventa por cento da população dos Açores abrangida até 2025, diz Anacom

Noventa por cento da população dos Açores deverá ter tecnologia 5G até 2025, revelou esta sexta feira o presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), João Cadete de Matos.

article.title

Foto: AO/Rui Jorge Cabral
Autor: AO Online/ Lusa

“Deve abranger no prazo de três anos 75% da população de todas as freguesias dos Açores e, em 2025, 90% da população de cada uma das freguesias dos Açores. Este objetivo é comum às freguesias da Madeira e às freguesias de baixa intensidade em todo o continente”, adiantou João Cadete de Matos, em conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, Açores.

Em 2018, a população residente nos Açores era de quase 243 mil pessoas, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

O regulamento da atribuição das faixas para o 5G já está em consulta pública e deverá disponibilizar comunicação através de banda larga móvel, com débito mínimo de 100 megabits (Mbps).

Está prevista ainda a instalação de pelo menos uma estação macro ou 10 ‘outdors’ de pequenas células em cada município dos Açores.

De visita à ilha Terceira, o presidente da Anacom alertou, também, para as falhas existentes na cobertura da rede de voz nos Açores, apelando para a partilha de antenas por parte dos diferentes operadores, num “roaming” nacional.

“O 5G é uma prioridade e uma oportunidade para o país, mas ainda há zonas do país em que não há 2G, não há comunicações através de voz em telemóvel. Nos Açores, há zonas em que a cobertura por telefone móvel ainda não é de qualidade”, frisou.

A instalação da tecnologia 5G vai obrigar à mudança de frequência da TDT, o que só deverá acontecer nos Açores no mês de junho.

“O objetivo do calendário que definimos é estar completo até final de junho. A empresa Altice pediu-nos mais duas ou três semanas no primeiro calendário que nos apresentou, mas perante a nossa insistência e a nossa convicção de que nenhuma razão explica que haja este adiamento de duas semanas, a expectativa que temos é que a Altice nos apresente um calendário revisto”, apontou João Cadete de Matos.

Para o presidente da Anacom, o facto de Açores e Madeira serem as últimas regiões do país a migrar de frequência da TDT será “um benefício, porque o processo vai estar bastante oleado”.

“Quando chegarmos aos Açores e à Madeira, o processo vai correr sobre rodas, também porque nos Açores e na Madeira a TDT tem uma expressão muito baixa. Muitas das pessoas veem televisão por cabo”, reiterou.

Segundo João Cadete de Matos, a Anacom vai fazer uma campanha de informação, com a ajuda das câmaras municipais, e terá técnicos na região para auxiliar quem necessitar de ajuda para sintonizar os televisores.

“Vamos ter a equipa da Anacom dos Açores, que tem oito pessoas, mas virão pessoas também da Anacom de Lisboa e do Porto, onde temos técnicos para ajudar neste processo”, revelou.

O presidente da Anacom alertou, ainda assim, para as tentativas de fraude.

“Não têm de comprar televisores novos, não têm de mudar as antenas, a única coisa que têm de fazer é, quando o televisor ficar a negro, pegar no comando e fazer a sintonia do novo canal”, salientou, lembrando que existe uma linha de apoio para este serviço (800 102 002).


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.