Jornal de campanha

MPT quer prisão que obrigue reclusos a gerarem recursos

MPT quer prisão que obrigue reclusos a gerarem recursos

 

Luísa Couto   Regional   9 de Out de 2008, 11:17

Foi junto ao estabelecimento prisional de Ponta Delgada que o candidato do Movimento  Partido da Terra (MPT)  revelou os números que colocam os Açores no topo do ranking das regiões de Portugal com maior taxa de presos.
Manuel Moniz apoiou-se  nos dados referentes ao mês de Junho, divulgados pela Direcção Geral dos Serviços Prisionais, que dão conta que a Região tem cerca de 186 presos por cem mil habitantes ao passo que  a média nacional se fica pelos 120 reclusos por cada cem mil habitantes.
Por essa razão, o cabeça de lista do MPT por  São Miguel critica o facto dos Açores ainda não terem uma política que vise reduzir a criminalidade que, por sinal, até tem vindo a aumentar.
“A Região não tem competência legal a esse nível, mas isso não deve impedir que tenha a sua própria posição em relação à forma como se deve combater a criminalidade”, sustenta Manuel Moniz.
O MPT defende, por isso, “novas soluções ao nível legislativo e uma alteração da ideia que se tem da prisão”.Manuel Moniz diz ser necessário a introdução do conceito de “prisão auto-sustentada”.
“Por outras palavras, obrigá-los a trabalhar e a produzir, reduzindo assim o duplo peso que a criminalidade representa para os contribuintes inocentes - que sofrem os roubos e ainda têm de pagar para castigar os criminosos”, esclarece o candidato.
Isto porque, no entender do MPT,  “a reinserção deve começar no momento em que o condenado entra no estabelecimento prisional, especialmente através de uma atitude mais exigente por parte do sistema”.
 Manuel Moniz mostra-se ainda preocupado com as elevadas taxas de ocupação das cadeias de Angra do Heroísmo e de Ponta Delgada  que são, no primeiro caso, de 177 por cento, e no segundo de 164 por cento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.