Doenças

Ministra defende educação sexual nas escolas para combate à Sida

Ministra defende educação sexual nas escolas para combate à Sida

 

Lusa/AO online   Nacional   28 de Nov de 2009, 18:08

A ministra da Saúde defendeu hoje a introdução da educação sexual nas escolas como uma forma de sensibilizar as crianças e os jovens para a prevenção do VIH para reduzir o crescimento de novos casos.

"A sexualidade é algo que faz parte da vida humana e deve ser falada nas escolas, com os professores, e em casa com os pais", disse hoje Ana Jorge, à margem da inauguração do Centro de Apoio Domiciliário e Aconselhamento Psicossocial da Abraço no Porto. Ana Jorge considerou prioritário reforçar a prevenção primária da infecção VIH, realçando que "no dia em que deixe de ser tabu falar da sida, as pessoas ficam mais atentas e aderem mais ao processo de prevenção primária". Em declarações aos jornalistas, a ministra da Saúde lamentou que "falar da sida continue a ser um tabu", referindo os protocolos que existem com o ministério da Educação para "envolver os professores e os alunos a vários níveis de ensino, chamando a atenção para a prevenção primária".  "Temos que intensificar esse trabalho de acções concertadas para sensibilizar as crianças e os jovens", acrescentou. Para Ana Jorge, "Portugal tem vindo a ter uma grande evolução do problema, mas ainda há muito trabalho a fazer", considerando que a redução da taxa de mortalidade levou à desvalorização dos riscos. "Hoje, morre-se menos mas não se pode descuidar a prevenção primária. O facto de a sida ser uma doença crónica levou a que muitas pessoas com comportamentos de risco a desvalorizem e não se protejam", defendeu. Ana Jorge falava à margem da inauguração do Centro de Apoio Domiciliário e Aconselhamento Psicossocial da Abraço no Porto, um espaço com o objectivo de responder às necessidades dos utentes do Grande Porto. Em declarações à Agência Lusa, a presidente da Abraço, Margarida Martins, afirmou que este novo centro (nas instalações do ex-centro de saúde de Aldoar), funcionará em paralelo com o Centro de Apoio de Gaia e com a Casa de Acolhimento do Porto. As instalações, que foram cedidas pela Câmara do Porto, destinam-se a apoiar todos os seropositivos e suas famílias. Neste centro, disse Margarida Martins, vai ser possível dar apoio de emergência social, distribuir alimentos, encaminhar doentes, entre outros serviços.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.