Ministério vai marcar nova data para prova de avaliação de professores


 

Lusa/AO online   Nacional   18 de Dez de 2013, 17:34

O secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, anunciou que o Ministério da Educação vai marcar uma nova data para a realização da prova de avaliação dos professores.

 

"O Ministério da Educação e Ciência lamenta os casos ocorridos e garante que aqueles que hoje não conseguiram realizar a prova terão direito a realizá-la noutra data, a divulgar em breve, salvaguardando assim a sua habilitação ao concurso de colocação de professores", disse João Grancho ao início da tarde, numa breve declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas.

A prova de avaliação de conhecimentos dos professores contratados foi hoje marcada por diversos incidentes. Nalgumas escolas houve professores que, em protesto, não realizaram a prova e noutras muitos docentes não a puderam fazer por greve dos professores que deveriam vigiar o exame.

"Esta componente da prova pretende comprovar a existencia de requisitos mínimos a lecionação de qualquer disciplina, área disciplinar ou nível de ensino, tais como a leitura ou a escrita, raciocínio lógico e crítico ou a resoluãção de problemas em domínios não disciplinares", disse ainda o secretário de Estado.

João Grancho disse ainda que a prova "integrará ainda uma componente especifica com o objectivo de avaliar o dominio dos conhecimentos disciplinares essenciais para a docencia em cada grupo, departamento ou nível de ensino".

Esta prova, prevista desde 2007, "enquadra-se num conjunto de medidas que visam assegurar que sejam os melhores professores a lecionar nas nossas escolas", acrescentou o governante, sublinhando que, com a prova, o Ministério pretende "a valorização da profissão docente".

A prova destina-se apenas aos docentes não pertencenbtes aos quadros, com menos de cinco anos de servico e que pretendam apresentar-se a concurso para dar aulas nas escolas afetas ao Ministério de Educação e Ciência.

"Em algumas escolas, contudo, decorreram incidentes que puseram em causa a sua realização. Professores houve que fizeram greve, como é seu direito, mas houve também perturbações inaceitáveis. Em alguns casos, as perturbações incluíram pessoas não diretamente envolvidas na realização da prova que impediram o direito da não adesão à greve. Assim como o direito de realizar da prova", afirmou o governante.

"Esses comportamentos são inaceitáveis num regime democrático e particularmente numa prova pública de professores como esta", acrescentou.

João Grancho disse ainda que, apesar dos protestos, os dados recolhidos pelo Ministério indicam que a prova "decorreu normalmente na grande maioria das escolas".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.