OCDE

Metade da classe média mundial está em países de rápido crescimento


 

Lusa/AO online   Internacional   21 de Nov de 2011, 16:31

Cerca de mil milhões de pessoas com rendimentos entre dez e cem dólares diários, metade da "classe média" mundial, vivem em países com altas taxas de crescimento económico, revela a OCDE, que apela a políticas de coesão social.
O relatório "Perspectivas sobre o desenvolvimento global 2012 - Coesão social num mundo em mudança", hoje apresentado em Paris, começa por recordar que nos anos 2000, pela primeira vez em muitas décadas, os países mais pobres cresceram mais do que os países ricos. Cerca de 50 dos países em vias de desenvolvimento e economias emergentes cresceram a uma média anual de mais de 3,5 por cento per capita.

Segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), a década que começou em 2010, em que as perspectivas de crescimento não são tão boas devido à crise internacional, será um período de teste para os novos motores de crescimento mundial.

Actualmente, "cerca de mil milhões dos dois mil milhões de pessoas que vivem com rendimentos entre 10 e 100 dólares diários - a classe média global" - vivem em "países convergentes", ou seja, países cujas taxas de crescimento económico per capita são o dobro da média dos países ricos da OCDE. Este número deverá ultrapassar os três mil milhões em 2030, acrescenta o relatório.

A OCDE avisa por isso os governos destes países que as taxas de crescimento que tiveram até agora lhes trouxeram recursos que podem ser usados para promover e financiar um processo de crescimento mais inclusivo, tendo em conta as expectativas e contributos desta classe média emergente.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.