MPT defende recuperação de águas minerais e termais da região

MPT defende recuperação de águas minerais e termais da região

 

lusa/AO Online   Regional   30 de Set de 2012, 17:33

O líder regional do Movimento Partido da Terra (MPT), Manuel Moniz, defendeu hoje a recuperação das águas minerais e termais existentes nos Açores, acusando o executivo socialista de "desrespeito" nesta área.

 

Manuel Moniz, que falava numa conferência de imprensa na freguesia dos Mosteiros, concelho de Ponta Delgada, apontou o exemplo da ‘Água do Poço’, uma água termal que era utilizada para tratamentos de pele, mas que “está completamente ignorada pelas entidades governamentais”.

“Estamos simbolicamente na freguesia dos Mosteiros, porque ela tem um recurso termal que está desaproveitado há cerca de 80 anos, sem que as riquezas do período autonómico lhe tenham valido de alguma coisa”, afirmou Manuel Moniz, que encabeça a lista de candidatos do MPT pelo círculo de S. Miguel nas eleições regionais de outubro.

Para o líder regional do MPT, “é urgente recuperar e reutilizar” a ‘Água do Poço’, defendendo a criação de um pequeno balneário que possa ser utilizado por turistas e pela população local.

Manuel Moniz recordou que os Açores “são a região mais rica do mundo” na diversidade de águas minerais, termais e de mesa “por metro quadrado de área habitável”, com destaque para a ilha de S. Miguel.

A freguesia das Furnas, no concelho da Povoação, é considerada a maior hidrópole do mundo, tendo sido ali contabilizadas mais de 70 nascentes de água, que deram origem à construção de balneários e termas.

Manuel Moniz lamentou que, apesar deste potencial, as Termas das Furnas estejam atualmente “destruídas”, devido a “erros do Governo”.

O líder regional do MPT apontou como um dos exemplos mais flagrantes da falta de intervenção do executivo, o caso da ‘Água das Lombadas’, que já foi engarrafada e comercializada, mas que está agora a aguardar o interesse de investidores particulares para voltar a ser aproveitada em termos comerciais.

Para Manuel Moniz, enquanto não aparecer um empresário que tenha o “arrojo de assumir” a comercialização da ‘Água das Lombadas’, as entidades oficiais “têm obrigação de recuperar o local”, permitindo este recurso possa ser utilizado por visitantes e locais.

Nesse sentido, considerou um “contrassenso” que os Açores continuem a importar águas engarrafadas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.