Açoriano Oriental
Açores/Eleições
Mandatária do Aliança diz que política de inclusão está “deficiente”

A mandatária regional do Aliança para a inclusão, Micaela Rodrigues, portadora de paralisia cerebral, lamenta não poder votar domingo, nos Açores, e diz que a política de inclusão está “deficiente”, dando-se mais importância a subsídios.

Mandatária do Aliança diz que política de inclusão está “deficiente”

Autor: Lusa/AO Online

“A política regional de inclusão está deficiente, porque não está a ouvir as pessoas que precisam de ser incluídas. Os apoios que precisam não são subsídios. Precisa-se deles, sim, mas acima de tudo de ouvir as pessoas, perceber o que precisam”, declarou Micaela Rodrigues.

Para Micaela Rodrigues, enquanto se "atribuir subsídios ao desbarato e não houver a preocupação de ouvir as associações, porque são quem lida diretamente com as pessoas", os cidadãos portadores de deficiência acabam por "não querer votar", porque não acreditam "em quem se está a pôr no poder”, acrescentou.

A portadora de paralisia cerebral, que com Mário Fernandes, cabeça de lista pela ilha de São Miguel do Aliança/Açores, promoveu um roteiro para auscultar as associações representativas dos portadoras de deficiência, apesar da sua situação, afirma que “não tinha noção que o incluir está tão pequenino”.

“O pequenino que eu falo não é do número de letras que leva a palavra incluir mas no que é preciso fazer para se incluir, de facto. Votar ainda é uma complicação tremenda para qualquer pessoa que tenha qualquer tipo de problema nesta ilha. Mas não tinha a noção de uma pessoa cega só pode votar se se fizer acompanhar por alguém da sua confiança, o que é assassinar a liberdade das pessoas”, afirma a mandatária regional.

O Aliança/Açores, que suspendeu a sua ação de rua, optando pela via 'online', dedicou o décimo primeiro dia de campanha eleitoral para as legislativas regionais de domingo à apresentação das conclusões do Roteiro para a Inclusão, em Ponta Delgada.

Considerando que a “votar é um direito de toda a gente” e que “a inclusão começa aí”, Micaela Rodrigues questiona-se sobre “porque é que quem está a governar agora não ouve" as associações representativas dos portadores de deficiência.

A portadora de paralisia cerebral adianta que há exclusão “no dia a dia”, apontando o exemplo de uma simples ida ao multibanco, não havendo na sua zona de residência uma caixa com acesso a cadeiras de rodas.

As legislativas dos Açores decorrem com 13 forças políticas candidatas aos 57 lugares da Assembleia Legislativa: PS, PSD, CDS-PP, BE, CDU, PPM, Iniciativa Liberal, Livre, PAN, Chega, Aliança, MPT e PCTP/MRPP.

No arquipélago, onde o PS governa há 24 anos, existe um círculo por cada uma das nove ilhas e um círculo de compensação, que reúne os votos não aproveitados para a eleição de parlamentares nos círculos de ilha.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.