Saúde

Maioria das crianças europeia é vista por um médico uma a três vezes por ano

Maioria das crianças europeia é vista por um médico uma a três vezes por ano

 

Lusa/AO online   Nacional   28 de Set de 2011, 15:38

A maioria das crianças europeias é vista por um médico uma a três vezes por ano, segundo resultados de um questionário em análise na Conferência de Ministros da Saúde do Conselho da Europa, que começa quinta-feira em Lisboa.
O questionário foi feito a mais de 2.200 crianças de 22 países, incluindo Portugal. As respostas foram dadas por crianças até aos 18 anos, sendo que a maioria tinha entre 13 e 15 anos.

À questão sobre quantas vezes num ano foram vistas por um determinado profissional de saúde, os resultados indicam que a maioria das crianças aponta a frequência mais baixa apresentada como hipótese de resposta.

Assim, 62,1% das crianças tinham visto um médico uma a três vezes e um número muito menor foi ao médico mais de três vezes.

No questionário ficou ainda claro que as crianças consideram que deviam ter acesso a mais informação no âmbito dos cuidados que lhe são prestados.

O acesso das crianças aos cuidados de saúde é um dos temas que estará em discussão na Conferência de Ministros da Saúde do Conselho da Europa.

A reunião, que contará com a participação de 44 delegações dos países do Conselho da Europa, tem como assunto dominante o “Sistema de Saúde Amigo das Crianças”, segundo explicou à agência Lusa o alto comissário da Saúde, Ponciano Oliveira.

Segundo o responsável, o Conselho da Europa reconhece que há disparidade entre os estados-membros ao nível do acesso e prestação de cuidados de saúde às crianças e pretende uma aproximação entre os países.

O acesso aos cuidados de saúde, o valor dos direitos das crianças na proteção da saúde, a participação infantil nesses cuidados e as boas práticas para a promoção da saúde infantil são os temas principais desta reunião, que decorre entre quinta e sexta-feira.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.