Direitos Humanos

Maior parte dos doentes mentais vive fechada em casa com medo dos outros


 

Lusa/AO Online   Nacional   10 de Dez de 2009, 11:55

A maior parte dos doentes mentais vive trancada em casa com medo de ser magoada pelos outros. A discriminação continua a existir e é contra isso que Maria João luta diariamente, ajudando estas pessoas a inserirem-se na comunidade.

No Dia Nacional dos Direitos Humanos, assinalado hoje, Maria João Neves, da Rede Nacional das Pessoas com Doença Mental, vai apelar à aplicação da Lei da Não-Discriminação à Saúde Mental num encontro promovido pelo Instituto Nacional de Reabilitação (INR) e pela Coordenação Nacional para a Saúde Mental (CNSM).

O estigma e a discriminação perseguem estes doentes. Uma simples ida a um café pode tornar-se doloroso: “tratam-nos de maneira diferente, não nos servem à mesa ou deixam-nos para último lugar”, conta à agência Lusa Maria João.

Para prevenir e combater a exclusão social destas pessoas, a Rede Nacional de Pessoas com Experiência de Doença Mental apoia a sua integração na comunidade através de emprego, educação e habitação.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.