Açoriano Oriental
Óbito/Carlos do Carmo
Luto nacional no dia das cerimónias fúnebres

As cerimónias fúnebres do fadista Carlos do Carmo, que morreu na sexta-feira, aos 81 anos, realizam-se esta segunda-feira, coincidindo com o dia de luto nacional decretado pelo Governo.


Luto nacional no dia das cerimónias fúnebres

Autor: Lusa/AO Online

De acordo com informação divulgada pela Câmara de Lisboa, a missa de corpo presente para as 15h00 (menos uma nos Açores).

Segundo a editora do fadista, a Universal Music, "a cerimónia será aberta a todos os que queiram prestar uma última homenagem ao fadista", mas terá "as devidas regras de segurança sanitária".

"O funeral será realizado num cemitério em Lisboa, cerimónia esta reservada à família e amigos mais próximos", acrescenta a Universal.

Carlos do Carmo morreu na sexta-feira, aos 81 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Nascido em Lisboa, em 21 de dezembro de 1939, era filho da fadista Lucília do Carmo (1919-1998) e do livreiro Alfredo Almeida, proprietários da casa de fados O Faia, onde começou a cantar, até iniciar a carreira artística, em 1964.

Distinguido com o Grammy Latino de Carreira, em 2014, entre outros galardões, o seu percurso passou pelos principais palcos mundiais, do Olympia, em Paris, à Ópera de Frankfurt, na Alemanha, do 'Canecão', no Rio de Janeiro, ao Royal Albert Hall, em Londres.

O cantor despediu-se dos palcos em 09 de novembro de 2019, com um concerto no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

A publicação do seu derradeiro álbum, "E Ainda?", prevista para o passado mês de novembro, foi anunciada hoje para este ano, pela editora Universal Music.


PUB
 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.