Líder do PSD/Açores e seu opositor nas diretas com lista única para o Conselho Regional

Líder do PSD/Açores e seu opositor nas diretas com lista única para o Conselho Regional

 

Lusa/AO Online   Regional   25 de Out de 2018, 13:51

O novo líder do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, e o seu opositor nas diretas, Pedro Nascimento Cabral, deverão apresentar uma lista conjunta para o Conselho Regional do partido, que decorre de sexta-feira até domingo, disse esta quinta-feira, fonte social-democrata.

Segundo disse à Lusa a mesma fonte, ambos os candidatos estiveram esta semana em negociações para definir os lugares de ambos naquele órgão, o segundo mais relevante após o congresso, devendo a constituição do mesmo respeitar o 'score eleitoral' de cada um deles nas eleições diretas de setembro.

O XXIII congresso dos sociais-democratas dos Açores vai decorrer em Vila Franca do Campo, concelho da ilha de São Miguel, e contará no domingo, na sessão de encerramento, com o líder nacional do partido, Rui Rio.

O Conselho Regional do PSD/Açores, que tem por missão analisar a situação político-partidária, aprovar o desenvolvimento da estratégia política do partido definida em congresso regional e designar o candidato a presidente do Governo, entre outros, é composto por 45 elementos eleitos em congresso e 15 suplentes, quatro membros da JSD (Juventude Social-Democrata), três membros dos TSD (Trabalhadores Social-Democratas) e dois da ASD (Autarcas Social-Democratas).

Os militantes que tenham desempenhado as funções de presidente da Comissão Política Regional e os que, em representação do partido, ocuparam os cargos de presidente da Assembleia Legislativa dos Açores ou de presidente do Governo Regional também integram o órgão.

Após o embate nas diretas do partido, realizadas em setembro, Alexandre Gaudêncio e Pedro Nascimento Cabral pretendem dar um sinal de unidade para o interior do partido, que ficou divido na sequência de um processo de renovação incrementado por Duarte Freitas, o anterior líder, que conduziu ao afastamento de Mota Amaral, antigo presidente da Assembleia da República e do Governo dos Açores, entre outros históricos.

Um ano depois de ter sido reeleito para o segundo maior concelho de São Miguel (Ribeira Grande), Alexandre Gaudêncio venceu a corrida à liderança do PSD/Açores e propõe-se, já nas eleições legislativas regionais de 2020, acabar com mais de duas décadas de governação socialista nos Açores.

O opositor de Vasco Cordeiro, líder do PS/Açores e presidente do Governo Regional, está convicto do desejo de mudança dos açorianos em 2020, sustentado no desgaste dos "vários anos da governação socialista” - mais de duas décadas - e no facto de ser “abordado na rua por muita gente que quer a mudança", na qual "precisa de acreditar”.

O social-democrata pretende renovar os órgãos do partido “indo buscar os melhores militantes, melhor preparados para estes momentos, havendo também pessoas que podem continuar ao lado de novos militantes”.

O dirigente admite que a estrutura regional do PSD/Açores sofreu com as várias derrotas eleitorais do partido liderado por Duarte Freitas e vai agora “localmente agir”, aproveitando a sua implantação concelhia “muito forte”.

Para o líder do PSD/Açores, há que dotar as estruturas locais dos instrumentos para que possam desempenhar as suas funções, fazendo, por exemplo, cumprir os estatutos do partido quando estabelecem que as concelhias devem reunir, pelo menos, duas vezes por ano, em plenário, com os seus militantes.

A moção de estratégia de Alexandre Gaudêncio designa-se "Rumo à vitória".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.