Justiça equatoriana suspende exigência de passaporte a venezuelanos

Justiça equatoriana suspende exigência de passaporte a venezuelanos

 

Lusa/Ao online   Internacional   25 de Ago de 2018, 21:58

A justiça equatoriana suspendeu provisoriamente, na sexta-feira, a exigência aos venezuelanos de passaportes na entrada do Equador, anunciou o Provedor de Justiça equatoriano.


"O juiz aceita a suspensão provisória em relação à exigência do estado equatoriano de solicitar um passaporte para cidadãos venezuelanos”, pode ler-se na página oficial da rede social Twitter, do órgão público do Equador responsável pela proteção de direitos.

Devido à crise social e económica na Venezuela milhares de pessoas tentam sair do país para procurar refúgio, principalmente nos países próximos.

A Organização Internacional das Migrações (OIM) advertiu na sexta-feira que a fuga dos venezuelanos para os países vizinhos, assim como para os Estados Unidos, Canadá e Espanha, pode converter-se “rapidamente numa crise”.

O porta-voz da OIM disse que “o que é uma situação difícil pode converter-se rapidamente numa crise”, ainda que tenha sublinhado o “trabalho magnífico” dos países latino-americanos em receber os venezuelanos que abandonam o seu país.

"Vemos ondas de violência no Brasil (contra venezuelanos na cidade fronteiriça de Pacaraima) e as medidas restritivas de alguns governos (com a exigência de passaportes na entrada de Equador e Peru) como um primeiro alerta de que uma situação difícil pode converter-se numa situação de crise muito rapidamente e temos de estar preparados”, disse o porta-voz.

Segundo a OIM e o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), cerca de 2,3 milhões de venezuelanos vivem atualmente fora do seu país.

Mais de 1,6 milhões saíram desde 2005 da Venezuela e 90% encontram-se em países da América Latina.

Desde 2015, cerca de 500.000 venezuelanos receberam algum tipo de estatuto de residência formal na América Latina, segundo a OIM.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.