Açoriano Oriental
Junta de Ovar cancela eventos até dezembro e verbas transitam para apoio social

A Junta da União de Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente Pereira, no concelho de Ovar, cancelou este sábado vários eventos públicos até final do ano, anunciando um reforço dos apoios sociais necessários devido aos efeitos da Covid-19.

Junta de Ovar cancela eventos até dezembro e verbas transitam para apoio social

Autor: AO Online/ Lusa

No município do distrito de Aveiro que está desde 17 de março em estado de calamidade pública devido ao novo coronavírus, o território da referida Junta é o que regista maior número de infetados.

O cancelamento de 12 eventos que habitualmente concentram grande quantidade de espectadores deve-se assim à atual fase de mitigação da Covid-19, "em que se passa a considerar que a transmissão da doença é comunitária em todo o território nacional", pelo que são desaconselhadas aglomerações de público.

A anulação dessas iniciativas permite, contudo, que a Junta anuncie: a União de Freguesias "vai reforçar o apoio social às famílias mais carenciadas do seu território".

Entre os eventos cancelados incluem-se as comemorações do 25 de Abril e também o Festival Internacional de Marionetas de Ovar, em junho, e o Festival de Circo de Furadouro, em agosto, ambos prevendo vários espetáculos gratuitos por companhias portuguesas e estrangeiras.

As Festas Vicentinas, de São João e do São Martinho de Arada também ficam sem efeito, assim como as Verbenas nos Combatentes e as celebrações do Dia das Freguesias.

O mesmo se aplica ao festival Festinfância, ao Encontro das Coletividades de Arada, ao Passeio Sénior e ao concerto Banda das Bandas.

Segundos dados da autarquia revelados na sexta-feira, dos 148 casos de Covid-19 confirmados entre os cerca de 55.400 habitantes no concelho sob quarentena, a distribuição pelo território era a seguinte: 49 doentes residem na localidade de Ovar, 45 na de São João de Ovar, 20 em Válega, 13 em Esmoriz, 10 em Arada, 5 em Cortegaça, 4 em São Vicente Pereira e 2 em Maceda.

A esse número de infetados acrescentavam-se ainda 8 outros cidadãos que, embora não tendo morada oficial em Ovar, estão temporariamente a pernoitar no concelho.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, foi detetado pela primeira vez na China em dezembro de 2019 e já infetou entretanto cerca de 600.000 pessoas em todo o mundo, das quais quase 28.000 morreram.

O continente europeu, com mais de 337.000 infetados e de 20.000 mortos, é aquele onde atualmente a surgir o maior número de diagnósticos positivos. Itália é o país com mais vítimas mortais em todo o mundo, registando 9.134 óbitos entre 86.498 casos, e segue-se Espanha, com 5.690 mortos em 72.248 casos de infeção.

Outros territórios com contágio elevado são: o Irão, com 35.408 casos de Covid-19 e 2.517 mortes reportadas; a França, com 32.964 infetados e 1.995 óbitos, e os Estados Unidos, que são desde quinta-feira o país com maior número de contaminados, contabilizando mais de 104.000 e ainda 1.711 vítimas mortais.

Já o continente africano, contabiliza 117 mortes entre 3.900 infetados, dispersos por 46 países.

Em Portugal, os primeiros casos foram identificados a 02 de março e o país regista hoje 100 mortes e 5.170 infeções no país, sendo que, desses doentes, 329 estavam internados em cuidados intermédios, 89 em cuidados intensivos e 43 já foram dados como recuperados.

A 17 de março, o Governo decretou o estado de calamidade pública em Ovar, dado o município já se encontrar em situação de contaminação comunitária, e no dia 18 teve aí início um cerco sanitário que obriga ao controlo de fronteiras, a isolamento domiciliário e ao encerramento de toda a atividade empresarial que não seja de primeira necessidade.

Desde as 00:00 do dia 19 de março, todo o país entrou no regime de estado de emergência, o que vigorará até às 23:59 do dia 02 de abril.



PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.