Açoriano Oriental
Jerónimo de Sousa nega movimento de contestação interna no partido

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, admitiu este sábado que possa “haver um ou outro descontente” no partido, mas nunca um descontentamento generalizado ou qualquer movimento de contestação interna.

article.title

Foto: JOSÉ COELHO/LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

O jornal Expresso noticia hoje que, após a Festa do Avante!, começou a circular nas redes sociais um “Manifesto dos Comunistas contra a Geringonça”, que reprova a estratégia seguida pelo PCP nos últimos quatro anos de Governo socialista.

Questionado pelos jornalistas, Jerónimo de Sousa negou qualquer movimento de contestação interna: “Garanto que não. Que não existe. Antes pelo contrário”.

À margem de um encontro em Lisboa com moradores e ativistas pelo direito à habitação, o secretário-geral sublinhou o “bom ambiente” que se sente nesta fase de pré-campanha para as eleições legislativas que se realizam dentro de três semanas.

“Há de facto um bom ambiente e uma saudação muito forte pelo papel que tivemos na política de reposição e conquista de direitos. Essa é que é a matriz fundamental. Pode haver um ou outro descontente, mas não terá muita expressão”, garantiu.

Segundo o Expresso, os subscritores do manifesto, que se assumem como militantes de base do PCP apesar de as primeiras 24 assinaturas surgirem apenas com as iniciais, acusam o partido de estar “a mudar de natureza, virando as costas ao marxismo-leninismo”.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.