Instaurados processos disciplinares a dois funcionários da Casa Pia


 

Lusa / AO online   Nacional   20 de Nov de 2007, 20:05

O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social anunciou que os dois processos disciplinares instaurados a funcionários da Casa Pia, um dos quais por suspeita de abusos sexuais, estarão concluídos em menos de dois meses.
"São dois processos disciplinares e uma suspensão. Estarão concluídos no menor tempo possível. A informação que tenho é que [o processo] durará menos de dois meses", afirmou Vieira da Silva aos jornalistas, à margem da cerimónia oficial de abertura do ano lectivo na Casa Pia.

No passado dia 14 de Novembro, foi tornada pública a suspensão preventiva de um educador de juventude do lar Cruz Filipe, da Casa Pia, devido a indícios de "violação grave" do dever de protecção das crianças.

Em entrevista à RTP no dia 15 deste mês, a presidente do conselho directivo da Casa Pia, Joaquina Madeira, admitiu que, face a essa suspensão, "há indícios e suspeitas de abusos sexuais envolvendo alunos da instituição".

Na cerimónia, o ministro Vieira da Silva exigiu tolerância zero relativamente a qualquer forma de maus-tratos e abusos nos colégios da instituição, salientando a necessidade de pôr em prática um acompanhamento individualizado e de proximidade com todos os alunos.

"Quero apelar a um compromisso de nenhuma tolerância, nenhuma transigência ou complacência com qualquer forma de maus-tratos ou abusos", afirmou, ressalvando, contudo, que "não existe nenhum instrumento mágico que proteja de qualquer risco" as cerca de 500 crianças que frequentam a instituição em regime de internato e as mais de duas mil em regime de semi-internato.

O ministro reafirmou os principais objectivos do processo de reestruturação da Casa Pia, nomeadamente a desmassificação do acolhimento de crianças, o investimento na formação profissionalizante e a integração de jovens com deficiência, manifestando confiança em Joaquina Madeira para realizar esta missão com "rapidez e eficácia".

Na ocasião, a presidente do conselho directivo da instituição lembrou o processo de pedofilia na Casa Pia, cujo julgamento teve início há três anos, lamentando os "excessos mediáticos" que diz terem "afectado e entristecido" todos os alunos e ex-alunos.

"A gravidade dos factos leva-nos a não os poder esquecer, mas temos o dever de os ultrapassar construtivamente", afirmou Joaquina Madeira.

Aos actuais alunos da Casa Pia, a responsável deixou um conselho: "Saibam pedir ajuda nos momentos em que se sentem com menos vontade ou aflitos com qualquer problema. Escolham um adulto para vosso amigo e confidente e confiem em alguém que, sendo mais velho, vos pode ajudar a ultrapassar os momentos mais difíceis", recomendou.

Como acontece habitualmente, a abertura oficial do novo ano lectivo foi marcada pela entrega de prémios aos melhores alunos de cada colégio e de cada ciclo de escolaridade, tendo ainda sido atribuídas distinções de mérito artístico e desportivo.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.