Grupo Estado Islâmico executa jovem refém druzo


 

Lusa/Ao online   Internacional   5 de Ago de 2018, 12:52

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) executou um jovem que fazia parte de dezenas de reféns druzos que raptou em julho na província de meridional síria de Sueida, indicaram hoje um media online sírio e uma ONG.

O estudante de 19 anos foi decapitado na quinta-feira, depois de ter sido raptado com mais de 30 pessoas, na maioria mulheres e crianças, numa aldeia de Soueida durante um assalto sangrento do EI em 25 de julho.

Este estudante foi o primeiro a ser executado, afirmou à AFP o jornalista Nour Radwan que dirige o 'Sueida24'.

O Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH) também afirmou que o estudante foi o primeiro refém executado desde o rapto do grupo.

Na sequência do ataque do EI em 25 de julho, que incluiu atentados suicidas em numerosas localidades da província e do qual resultaram 250 mortos, o 'Sueida24' e o OSDH tinham anunciado o rapto de cerca de 30 mulheres e de crianças e 17 homens desaparecidos.

Segundo o OSDH, os 'jihadistas' pedem em troca destes reféns a libertação pelo regime sírio de combatentes do EI que foram capturados na província vizinha de Derraa.

O EI não reivindicou os raptos, mas fontes locais afirmam que as famílias dos reféns receberam nos seus telemóveis fotografias e vídeos enviados pelos 'jihadistas'.

Na sexta-feira, um dos responsáveis drusos na Síria afirmou à AFP que a Rússia, aliada do presidente Bachar al-Assad, estava em negociações com o EI para libertar os reféns.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.