Açoriano Oriental
Israel
Governo israelita acusa António Guterres de colocar-se do lado do Hamas

O Governo israelita acusou hoje o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, de colocar-se ao lado do Hamas ao pedir um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

Governo israelita acusa António Guterres de colocar-se do lado do Hamas

Autor: Lusa /AO Online

“O apelo de Guterres, ao colocar-se ao lado do Hamas e solicitar um cessar-fogo, desonra a sua posição”, declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Eli Cohen, na rede social X.

O ministro israelita declarou que “a invocação do artigo 99, após este não ter sido utilizado para a guerra na Ucrânia ou (…) na Síria, é mais um exemplo da posição parcial e unilateral de Guterres”.

“Um cessar-fogo neste momento evitaria o colapso da organização terrorista Hamas, que está a cometer crimes de guerra e crimes contra a humanidade, permitindo-lhes continuar a governar a Faixa de Gaza”, alertou.

Cohen expressou gratidão aos Estados Unidos “pelo seu apoio na continuação da luta para trazer os reféns para casa e eliminar a organização terrorista Hamas, o que trará um futuro melhor para a região”.

Por sua vez, o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, na mesma rede social, garantiu que “um cessar-fogo é uma recompensa ao Hamas, dizendo adeus aos reféns detidos em Gaza”.

“Apoie Israel na nossa missão: estamos a lutar pelo nosso futuro e estamos a lutar pelo mundo livre”, disse Gallant.

O ministro da Defesa israelita também agradeceu aos Estados Unidos pela “sua liderança ousada” em apoio a Israel.

O grupo islamita Hamas, num comunicado, condenou "o veto de Washington contra um projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU que exige um cessar-fogo em Gaza.

“Consideramos que é uma posição imoral e desumana", referiu o Hamas.

O grupo islamita palestiniano mostrou a sua gratidão aos países a favor da cessação das hostilidades, entre os quais citou a Rússia, a China e o “Grupo Árabe”.

Gueterres apelou na sexta-feira a um cessar-fogo humanitário imediato, depois de invocar o Artigo 99 da Carta das Nações Unidas, que permite ao secretário-geral dirigir-se ao Conselho de Segurança em situações extraordinárias.

Os Estados Unidos vetaram este pedido, considerando que se Israel entregasse as suas armas, o Hamas continuaria a manter reféns e a manter o controlo sobre a Faixa.

A resolução foi apresentada pelos Emirados Árabes Unidos, apoiada por 97 países membros e suportada por 13 membros do Conselho de Segurança, com a abstenção do Reino Unido.

Em mais de dois meses de guerra, o Conselho de Segurança votou diversas vezes resoluções de apelo ao fim do conflito.

Contudo, a única trégua declarada, de sete dias, não foi fruto de uma resolução da ONU, mas sim de negociações indiretas entre Israel e o Hamas com a mediação do Qatar e dos Estados Unidos para troca de reféns israelitas em Gaza por prisioneiros palestinianos em Israel.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados