Governo financia duas infra-estruturas da Universidade dos Açores

 Governo financia duas infra-estruturas da Universidade dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   22 de Dez de 2008, 14:23

O Governo açoriano vai apoiar com cerca de 10 milhões de euros a construção de duas novas infra-estruturas na Universidade dos Açores, nas ilhas Terceira e Faial, obras consideradas "prioritárias" e que deverão estar concluídas em 2010.
 O contrato para o financiamento entre o Governo açoriano e a Universidade dos Açores foi assinado hoje no Palácio de Santana, em Ponta Delgada, pelo presidente do Governo, Carlos César, e o reitor da academia açoriana, Avelino Meneses.

    Além dos 3,6 milhões de euros destinados à remodelação do antigo edifício do Hospital Walter Bensaúde, onde ficará instalado o departamento de Oceanografia e Pesca (Faial), o Governo Regional vai disponibilizar, a fundo perdido, mais 5,8 milhões de euros para as obras de construção do novo edifício inter-departamental do pólo universitário da Terceira.

    A construção destes dois novos edifícios terá um custo total orçado em 11,1 milhões de euros.

    Apesar de considerar que as instalações não são a essência das instituições, o reitor da Universidade dos Açores disse não ter dúvidas que os novos edifícios vão trazer "mais entusiasmo e condições de trabalho", repercutindo-se em benefício do ensino e da investigação feita no arquipélago.

    "Todos concordamos que a existência de instalações modernas e funcionais virá a potenciar aquilo que na Universidade dos Açores já se faz", afirmou Avelino Meneses, lembrando que "há cerca de 33 anos que o pólo da Terceira funciona num antigo balneário público e o pólo do Faial num antigo hospital militar".

    Segundo Avelino Meneses, a sociedade açoriana pode estar ciente que a Universidade dos Açores "contribuirá cada vez mais para a formação das nossas gentes" e para o avanço do conhecimento científico e tecnológico.

    A academia açoriana, dividida pelas ilhas de São Miguel, Terceira e Faial, conta com 3.900 alunos matriculados e 176 doutores no seu corpo docente.

    O presidente do Governo açoriano destacou o facto de a construção dos dois novos edifícios vir colmatar uma lacuna "que há muito era sentida" por docentes, alunos e funcionários, acrescentando que com este gesto, o seu executivo colabora com uma obrigação do Governo da República, que tutela o ensino superior.

    "O Governo reafirma a sua permanente intenção de cooperar, até ao limite das suas competências e capacidades, com a Universidade, contando, também, com uma postura desta activa e criativa para podermos encontrar novos caminhos", afirmou Carlos César.

    Frisando que a academia ficará dotada de condições para cumprir melhor as suas finalidades, Carlos César reafirmou que o Governo vai intensificar o investimento na sociedade da informação e do conhecimento durante a legislatura.

    A esse nível recordou a intenção de reforçar as unidades de investigação e desenvolvimento acreditadas para promoverem pesquisas com aplicação na região, através da incorporação tecnológica nos domínios empresariais, gestão dos recursos naturais, aumento da autonomia energética, agricultura e economia ligada ao mar.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.