Função Pública

Governo e sindicatos iniciam hoje negociações salariais


 

Lusa/AO   Economia   16 de Out de 2007, 06:05

O Governo e os sindicatos da Função Pública iniciam hoje as negociações salariais para 2008, depois do primeiro-ministro ter garantido que o executivo tudo fará para que os funcionários públicos não percam poder de compra.
"Tudo faremos para que os funcionários públicos não percam poder de compra no próximo ano", declarou quinta-feira José Sócrates, vincando que estes trabalhadores estiveram na "linha da frente" do esforço de consolidação orçamental em Portugal.

    Para que os funcionários públicos não percam poder de compra no próximo ano o aumento salarial tem que ser, pelo menos, em linha com a inflação prevista, de 2,1 por cento.

    Este valor fica aquém das propostas apresentadas pelos sindicatos da Função Pública que variam entre os 3,5 por cento, do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), e os 5,8 por cento, da Frente Comum, que exige também a garantia de que nenhum trabalhador tenha um aumento inferior a 50 euros.

    A Frente Sindical da Administração Pública (FESAP) reivindicou aumentos salariais de 3,8 por cento para o próximo ano.

    De acordo com a proposta de Orçamento de Estado, apresentada sexta-feira, as despesas com pessoal totalizam 20,8 mil milhões de euros, na óptica de contabilidade nacional.

    Esta verba, que inclui os salários dos funcionários públicos, não integra os aumentos salariais nem os prémios por desempenho previstos para 2008.

    Essas despesas são financiadas pela dotação provisional que tem um montante de 600 milhões de euros.

    A tabela salarial da Função Pública teve uma actualização de 1,5 por cento nos últimos dois anos.

    A primeira estrutura sindical é ser recebida no Ministério das Finanças é a Frente Comum (09:30), seguido-se a FESAP (11:00) e o STE (15:00).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.